Aff, este asunto é complicado.
Por onde começo?
Sempre que comento que Bella sabe português mas responde em inglês, recebo emails me perguntando como assim “Bella não fala Português”?
Eu sempre falo com a Bella em português, desde que ela nasceu. Passei 2 anos com ela em casa somente falando português, sendo que meu marido fala inglês comigo e com ela, então até então eu falava português, ele inglês e Bella tinha este diferencial de que a mãe falava uma língua e o pai falava outra, até aí tudo fácil.
Mas quando tudo mudou?
Quando Bella foi para a escolinha e eu passei a ser sua professora!
Vejam a confusão!
Em casa falo português com a Bella, mas na escola falo inglês com ela, afinal, não seria nada profissional da minha parte me dirigir em português a minha filha dentro da escola, na companhia de outras 14 crianças que só falam inglês. Ela passa 8 horas na escola ouvindo a mãe falar inglês, daí saímos da escola e a mãe começa a falar português!
“Hello! Como assim, mãe?”
Então o caso da Bella é um caso complicado, pois já é um desafio fazer um filho de mãe e pai de nacionalidades diferentes ter fluência nas duas línguas, pois dependendo de onde a família mora, a criança penderá para aquela língua naturalmente, mas adicionem agora a mãe ser obrigada a falar a língua do pai durante 8 horas por dia?
No ínicio eu confesso que ficava irritada com a Bella, por ela não falar comigo em portuguêss, mas hoje eu já vejo a situação como ela é, e na realidade ela é bastante complicada e difícil. Minha filha entende 100% o português, você pode perguntar o que quiser para ela ou só falar português com ela, ela saberá o que você está dizendo direitinho, mas ela responde na língua que ela mais ouve durante o dia , ou seja, o inglês.
A minha relação com a Bella já é delicada pelo fato de eu ser sua professora, o que não acontece com a maioria das mães e filhos, portanto há uma delicada linha entre a mãe chata e a professora mais chata ainda. Eu como mãe sou disciplinadora, não admito mal criação da Bella, e como professora eu sou mais disciplinadora ainda, pois não é fácil educar 14 crianças juntas. Portanto, Bella já me vê como a mãe durona que a disciplina 24 horas por dia, seja em casa ou na escola, então eu não quero minar a nossa relação criando conflito com o bilinguismo dela.
Eu acredito, assim como a maioria dos livros ensina, que não se deve incentivar o bilinguismo de maneira forçada, exagerada e chata, o interesse pela língua deve ser natural para que a criança tenha prazer em aprender, e eu me baseio nisso para não fazer com que Bella veja o português como uma coisa chata que a mãe impõe. Neste último ano em que ela esteve na escola, aprendi a reajustar as minhas expectativas de acordo com a nossa realidade: Bella ouve a mãe falando tanto português como inglês, portanto seria loucura da minha parte obrigar que minha filha de 3 anos tenha discernimento o suficiente para separar que ” hey….minha mãe quer que eu fale português o tempo todo com ela, sendo que ela fala inglês comigo 8 horas por dia? Não tô entendendo nada!”
Tenho amigas que são brasileiras casadas com estrangeiros, mas elas ficam em casa com as crianças, portanto os filhotes falam português com elas, afinal, passam a maior parte do dia ouvindo português, o que não é o caso da Bella. Já outras mães brasileiras casadas com estrangeiros, que trabalham, também enfrentam o desafio do bilinguismo quando as crianças vão para a escola e não querem mais falar português.
Eu não desisti de ensiná-la a falar português como alguns podem pensar, eu sigo falando em português com ela quando não estamos na escola, ela só ouve músicas brasileiras no carro, ela ama a turma da Mônica e eu procuro procurar no youtube seus  desenhos favoritos dublados em português, para que ela ouça a língua da sua mãe com bastante frequência.
A única coisa que falta para a Bella é ir para o Brasil com mais frequência, mas isso infelizmente é difícil para a nossa família neste momento. Moramos em uma das cidades mais caras do mundo, portanto planejar férias no Brasil ficou mais difícil ainda agora que moramos em Vancouver.
Quem tem filhos e mora fora de seu país sabe o quão difícil é cultivar o bilinguismo nas crianças. Não é impossível, obviamente, mas quando o casal tem duas nacionalidades a coisa complica naturalmente, e quando a mãe é a professora (em inglês) da filha, aí sim a porca torce o rabo!
Meninas, muito obrigada pelos emails e mensagens que recebo sobre bilinguismo, sempre leio TODOS os links que vocês me mandam e sempre tiro alguma dica para implementar aqui em casa.

6 Comments on Criando uma filha bilíngue

  1. Mamãe Nádia
    23/10/2012 at 2:16 am (8 years ago)

    Deve ser complicado mesmo, eu estou pensando sobre o assunto ultimamente. O Pedro irá para o Canadá aos 3 anos de idade, a recém começou a falar certinho o português e já vai ter que aprender o inglês. Depois de um tempo acho que ele ficará só no inglês mesmo, quero ver como vou fazer. Bjos!

    Reply
    • Ana
      04/11/2012 at 10:32 pm (8 years ago)

      Nádia, essa foi a idade que minha filha mais velha veio pra cá também. E ela aprendeu o inglês rapidinho, na creche. Em casa só falamos português com elas, mas meu marido é brasileiro também, o que facilita.

      Rita, realmente teu caso é mais complicado, mas não desiste não. Continua fazendo como você está fazendo, que naturalmente a Bella vai aprender sim. Quando ela for pro kindergarten e não ter você mais como professora, talvez você possa voltar a cobrar que ela fale somente português com você. Vai ser mais fácil dela assimilar, né?

      Reply
  2. Ana
    23/10/2012 at 11:30 am (8 years ago)

    Rita, fugindo do tópico do post, vc já leu o libro Why have kids? Acho que vai gostar, trata de prematuridade.

    Reply
  3. Marion
    23/10/2012 at 12:34 pm (8 years ago)

    Olá! Acho que estás muito certa na forma como fazes! Tentei falar alemão com a Kerstin – aliás, falei até aos 2 anos. Depois parei, pois achei que precisava ajudá-la na inserção na escolinha. Mas aí desaprendeu o alemão – e hoje me arrependo! Mas, enfim, a gente faz o que acha ser o certo e o melhor, não é? Abs.

    Reply
  4. Fernanda
    23/10/2012 at 4:08 pm (8 years ago)

    Meu marido tem duas sobrinhas que nasceram nos EUA e hoje estão com 15 e 13 anos respectivamente. As duas foram criadas juntas, as duas entendem o português porém a mais nova não fala o português e quando vem ao Brasil tem dificuldade de se expressar em português apesar de entendê-lo. Sinceramente, não sei o que causou a diferença entre as duas, mas isso só me faz pensar que cada criança é única e necessita de estímulos diferentes.
    Enfim, mais para frente ainda ocorre outra dificuldade, apesar das duas entenderem o português, ambas são "analfabetas" no português pois tiveram estímulo apenas oral e não escrito.
    Deve ser relamente difícil criar um filho bilingue, devem surgir várias dúvidas e dificuldades, ainda mais na sua posição de mãe / professora, mas desejo a você toda sabedoria e sorte para fazer o melhor possível!
    Beijos

    Reply
  5. Marcela Macedo
    23/10/2012 at 9:08 pm (8 years ago)

    Ri, lembra que o Moi estava em SP na semana passada? Ele me contou que conversava com um dos engenheiros da fábrica em Inglês o dia todo e na hora que tinha que falar em português, ele parava para pensar na palavra em português, e era bem estranho… Ele disse que na hora pensou em você aí falando inglês o tempo todo e ainda tendo que falar em Português com a Bela… deve ser bem complicado mesmo, entendo seu ponto de vista, mas penso que o Português da Bella virá bem natural, sem muito esforço. Beijão para vocês!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *