Este vídeo não é novidade para os gaúchos, mas garanto que encantará os não-gaúchos também.
Em Porto Alegre temos uma rede de farmácias chamada Panvel, que cria as propagandas de TV mais lindas que vocês podem imaginar. Somos sempres surpreendidos com mini-filmes encantadores e que provam que se você não chorar, você não tem coração mesmo.
A história de Sofia não foge do selo de qualidade da Panvel e eu desafio a alguém não chorar no último minuto da história, principalmente se você tem um bichinho de estimação.
Como vocês sabem nós temos um cachorro aqui em casa, e eu até vacilo em chamá-lo de cachorro, pois para mim buldogues ingleses ultrapassam a espécie, são as coisas mais queridas, gordas, charmosas e rabugentas que existem.
Butters é o meu primeiro cachorro, aquele que eu sonhava quando criança, aquele que só virou realidade quando eu tinha 26 anos de idade. Quando soubemos através de um familiar que tinha uma ninhada de buldoguezinhos de apenas 2 meses e apenas um deles estava disponível, o meu coração não se segurou de felicidade. Passei a sonhar com aquele filhote, a enlouquecer o meu marido dizendo que não, que de jeito nenhum visitar aquele cachorrinho significaria comprá-lo (ãhã), e meu coração só sossegou brevemente quando fomos visitar a criadora de buldogues uma semana depois.
A criadora, que se tornou nossa amiga querida, nos fez padecer na sua casa, fez com que visitássemos cada membro da família canina antes de liberar acesso aos filhotinhos. Observou com cuidado as nossas feições e entusiasmo com cada buldogue adulto, para então ter certeza que éramos merecedores do seu tão majestoso filhote.

 A família é grande:

Enfim, os filhotes!
Já pensaram em afofar não só um, mas muitos buldogues gordos? Um sonho, né?

Se existe uma palara, um adjetivo, que descreva o nosso buldogue, ela certamente é majestosa!
E foi assim, com um cruzar de olhos que Butters entrou para nossa família.

É amor demais para esta mãe coruja.

Sair com Butters filhote nas ruas de Calgary era praticamente sair de mãos dadas com Brad Pitt, éramos parados na rua a cada dois passos. A loucura era tanta que carros cruzavam conosco, davam meia volta, estacionavam do nosso lado para olhar o Butters. Acho que estas coisas só acontecem com filhotes de certas raças, filhotes que não vemos com frequência.
Butters cresceu rapidamente, com 5 meses já parecia o Butters de hoje, 6 anos depois. Baixinho mas gordo, sua personalidade desenvolveu de acordo, sempre muito querido, carinhodo e espaçoso, se acha o dono da casa, o dono do mundo, quase mata o pai dele com joguinhos tiranos, como latir, latir, latir até o Bryan sentar no chão para brincar, só para ele então pular no sofá e roubar o lugar do seu dono.

E depois dizem que buldogues são os últimos na lista de cães inteligentes.

Bella nasceu e Butters passou de dono da casa para segurança e protetor da Bella, ciúmes jamais fez parte da nossa vida aqui em casa. Do minuto que ele aquele bebê tão pequenininho chegou em casa, Butters calçou as botas de irmão mais velho, e muitas vezes chegou a nos emocionar ao dormir e sentar incansavelmente ao lado do berço da Bella. Hoje, 3 anos depois, se você quer saber onde Butters está, basta seguir os passos da Bella, ele jamais estará em algum ambiente diferente da casa.

 

Às vezes eu penso que Butters será meu primeiro e único cachorro, pois sendo ele meu sonho realizado, jamais outro cão tomará o seu lugar. Quando olho para ele atualmente e já vejo traços dos anos passando, meu coração se parte com o pensamento de que um dia ele não estará mais aqui conosco. É incrível como um animal que não fala, que não se expressa com palavras, pode tocar tão fundo o coração de seus donos. Conheço todas as suas vontades, gostos, latidos e roncos, não há nada nele que seja desconhecido ou indiferente para mim, amo absolutamente tudo no meu amigo,  todas as suas qualidades e até mesmo seus defeitos, como ter aprendido a latir depois de velho. Nos mudamos para Vancouver e Butters aprendeu a latir. Aff! Ninguém merece! Ele que era tão quietinho.
Quando vejo a história de Sofia e penso no significado do Butters para mim, somente uma frase me vem a mente: amizade verdadeira. Quem tem um animal de estimação sabe o que isso significa.

20 Comments on A história da Sofia e do Butters

  1. rita
    16/10/2012 at 2:02 am (8 years ago)

    Ele eh folgado, mas eh querido ne?
    Beijos saudosos
    Eu

    Reply
  2. Mercia
    16/10/2012 at 2:40 am (8 years ago)

    Post lindo! É o que sinto pelo meu peludinho aqui! Nosso companheiro há oito anos!!
    Beijos

    Reply
  3. Karina Rezende
    16/10/2012 at 4:08 am (8 years ago)

    Pe pegou em um dia mais sensível…to me debulhando em lágrimas! Vou ali, dar um aperto no meu filhote que agora quem ta morrendo de saudades sou eu 🙁

    Reply
  4. Marcela Macedo
    16/10/2012 at 1:10 pm (8 years ago)

    Que amor Rita!! Só vc consegue transmitir tanto amor com a sensibilidade das suas palavras!

    Reply
  5. Sandra Nogueira
    16/10/2012 at 1:31 pm (8 years ago)

    Viche…nem tive coragem de ver o vídeo. Tive uma bassê (Jolie) linda que se foi aos treze anos, detalhe – ela partiu um dia depois do Jorge, meu filho…aff!!!Fiquei constrangida de chorar por ela, enfim tinha ficado sem meu filho um dia antes e a Helena estava em cirurgia naquele dia!!!

    Aí sai do hospital fui para a capela e me acabei de chorar, por ela (Jolie), pelos dois, por tudo…quando li o post e relembrando este dia acho que foi o pior dia da minha vida…mas mesmo assim quero que a Helena tenha um cachorro, a Jolie foi a minha primeira e única, mas quero oferecer para a Helena esta experiência maravilhosa de amizade verdadeira…

    enfim "cachorro é tudo de bom!!!"

    bjocas

    Reply
  6. lwj01998
    16/10/2012 at 4:29 pm (8 years ago)

    Isto é uma bonita história. fez-me pensar de Ringo. Lagrimas

    Reply
  7. Danielly Meier
    16/10/2012 at 6:47 pm (8 years ago)

    Voltei de Porto Alegre na semana passada, onde assisti a propaganda da Panvel. Confesso que teu post conseguiu ser ainda mais comovente que a propaganda.
    Bj

    Reply
  8. Mariana
    17/10/2012 at 12:49 am (8 years ago)

    quando eu vejo as fotos do butters me da vontade de ter um para mim…agora sei que é um buldogue ingles, chique heim…
    mas no apartamento que eu moro, meu marido se nega a me deixar ter um dog!

    Reply
  9. simone e as meninas
    17/10/2012 at 1:50 am (8 years ago)

    Aqui em SC também tem Panvel, e passa essa maravilhosa propaganda. É linda demais mesmo. Amor demais! Bj Simone

    Reply
  10. rita
    17/10/2012 at 3:15 am (8 years ago)

    Mercinha, 8 anos ja????
    Ai , nosso velhinhos estao ficando velinhos, snifffff

    Reply
    • Mercia
      18/10/2012 at 2:59 am (8 years ago)

      Oito aninhos Amiga, snif snif!! É um amor unico mesmo que sentimos por eles né?! Esse post me emcionou demais!!
      Beijo no Gordo

      Reply
  11. rita
    17/10/2012 at 3:16 am (8 years ago)

    Ka!

    Cada vez que vejo filmes ou qualquer coisa sobre animais eu tambem me sinto assim, uma vontade de dar um amasso no meu cachorro.

    Eles merecem, sao muito fofos

    Beijos

    Reply
  12. rita
    17/10/2012 at 3:16 am (8 years ago)

    Ma!

    Que bom que tu gostou do texto amiga, o video eh lindo ne???

    Beijinhos
    Rita

    Reply
  13. rita
    17/10/2012 at 3:18 am (8 years ago)

    Sandraaaaaa

    Li teu comentario no trabalho e me segurei demais para nao chorar, eu so imagino o teu estado, como mae de um bebe que tambem foi muito doente eu so imagino o seu estado depois da passagem do Jorge, da cirurgia da Helena, mais uma dor, eh muito dificil mesmo, nao sei como tu conseguistes passar por estes dias e ainda sair de pe no outro lado!

    Es uma guerreira.
    Te admiro muito, tu es uma inspiracao para mim.

    Beijos enormes

    Reply
  14. rita
    17/10/2012 at 3:19 am (8 years ago)

    Thanks Lynn, you know how cute he is.

    Reply
  15. rita
    17/10/2012 at 3:19 am (8 years ago)

    Dany!

    Que legal que gostastes do meu post, a propaganda eh linda e realmente me inspirou para contar a historia do meu gordo.

    Beijos
    Rita

    Reply
  16. rita
    17/10/2012 at 3:21 am (8 years ago)

    Oi Mari

    Chique ne?
    hahaha
    Esta raca eh muito cara, eu sei, mas valem cada centavo.

    Em apartamento eh dificil mesmo, casa eh muito mais facil.

    Beijinhos

    Reply
  17. Roberta Corrêa
    17/10/2012 at 8:42 pm (8 years ago)

    Rita!! Essa certamente é uma das amizades mais lindas e sinceras que alguém pode ter na vida, é um amor e uma cumplicidade inexplicável. Perdi minha mana Cris em dezembro de 2011, com 11 anos. Era minha irmã de 4 patas, impressionante a relação que a gente tinha na família, pois ela agia de um jeito com a minha mãe (que era a mãe dela também)e de outro jeito comigo e com minha irmã. Eu era a irmã das bagunças e da alegria, minha irmã mais nova era a irmã implicante e super protetora… exatamente como são as relações entre os humanos! Como pode né! Enfim, apesar da tristeza imensa da perda, hoje as lembranças dela me fazem abrir um sorriso gigante no rosto! Tudo valeu a pena! Desejo toda a saúde do mundo para o Butters! Beijãoo

    Reply
  18. Danielle Maciel
    18/10/2012 at 2:08 pm (8 years ago)

    Nossa esse post é realmente emocionante. Eu sei muito bem como é ter esse amor incondicional e uma amizade tão verdadeira. Eu tenho uma cadela, chamada Nikita (significa forte urso em havaiano, e juro que o nome veio a calhar rs)ela é uma fila brasileira e é beem grande rs.
    A historia dela é bem triste, ela morava em uma casa na minha rua (aqui no Rio) e um dia o dono dela ficou louco e pôs fogo na própria esposa. Depois disso a moça morreu e ele sumiu no mundo e deixou 2 cachorrinhos abandonados na casa. Um infelizmente morreu porque ficou trancado nos fundos e ninguém via e por isso não davam comida e agua. Já a minha Nikita deu sorte, ficou presa na parte da frente da casa e eu, meu namorado e alguns vizinhos dávamos comida e agua. Uma vez o homem da imobiliária foi na casa para tirar as coisas do homem que sumiu e pegar a casa de volta para alugar. Nesse dia ele falou que se ninguém pegasse a cadela que ele iria abrir o portão para ela ir embora. Fiquei desesperada, como pode ser tão sem coração? Nesse dia começou minha luta para poder levar ela para minha casa, minha mãe não queria de jeito nenhum porque ela é enorme e espaçosa. Chorei, implorei, prometi um milhão de coisas ate que consegui permissão para levar minha amiga para casa e estamos juntas a um ano e meio. Ela é bangunçeira, come sapato, sofá mas eu a amo tanto que vale a pena ouvir minha mãe brigando comigo e me culpando pelas besteiras dela.
    PS: Seu dog é muuuuuuuuuuuuito fofo, dá vontade de morder rs.
    Beijos.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *