Uma das situações que acredito que a maioria de nós mães tememos em termos de julgamento alheio é o famoso piti na rua.
Não?
Você leva seu anjo para passear e ela dá chilique, grita, esperneia, chora e…..respire fundo, bate na sua cara!
Aff, se você é mãe, você provavelmente já passou por situação semelhante.
Aqui em casa estamos lidando com isso no mais longo “terríveis dois” da história da humanidade! Bella começou a virar “toddler” com 1 ano e meio e hoje com quase 3 anos ainda vivemos constantemente situações assim, em maior ou menor grau. Observando, porém, os meus sentimentos no auge da fúria da minha filha e nos pitis de outras crianças que vi por aí, pude observar que o grau de frustração e vergonha da mãe chega a ser palpável. A frustração de não conseguir acalmar a criança, junto com aquele sentimento péssimo de vergonha: vergonha pela situação em si, por saber que há pessoas olhando, por imaginar o que eles estão pensando, e pior ainda, por achar naquela fração de segundos que só há uma alternativa, você só pode ser uma péssima mãe.
Mas sabem que com o passar dos meses e hoje com mais experiência lidando com a minha filha tigresa, eu já conclui uma coisa super simples, mas que mudou completamente a maneira como eu lido hoje com a Bella e como eu controlo os meus sentimentos quando ela dá show na rua.
Penso:
“Quem é o “boss” aqui?”
“Quem é a mãe?”
“Quem é que está controlando esta situação? Eu, a mãe, ou a criança de dois anos?”
O meu comportamento mudou do dia para a noite, hoje consigo controlar a situação me sentindo muito mais confiante!
O segredo?
Sigam o meu raciocínio: sendo eu a mãe, sendo eu a “chefe” da minha filha (e não o contrário, jamais), sou eu quem tomo as decisões e pronto. Filosofia infantil para as cucuias no caso de caos e escândalos no shopping. Converso e educo minha filha em casa, mas na rua são outros quinhentos, a mãae tem que partir para o plano concreto, que neste caso é remover a criança da situação de conflito o mais rapido possível com firmeza, deixando a pedagogia infantil para o recanto do seu lar.

Fonte

Crianças nesta idade são desafiadoras, está no sangue delas, é a idade de desafiar a tudo e a todos, e os limites então, são o sangue para o vampirinho! Parece que a criança sente que na rua as regras de casa não aplicam completamente, portanto elas começam a jogar com as emoções da mãe, correm para lá e para cá, não querem dar a mão, só fazem o que querem e a cada pedido mal engolido feito pela mãe, o choro e os gritos, e pasmem, até os tapas começam a aparecer. E olha que eu sou professora e não sou imune a este tipo de comportamento da minha filha nem “sabendo o que estou fazendo”.
De uns tempos para cá eu tomei as rédeas da situação:
  • Sou eu quem mando! Não ela!
  • Sou eu quem crio as regras e cabe a ela obedecer.
  • Minha palavra eh ordem.
O conselho mais importante e que acho que nós mães atuais estamos esquecendo, é que nãao devemos ter medo dos nossos filhos. Não devemos ter medo dos pitis, das situações constrangedoras e chatas na frente de conhecidos ou desconhecidos na rua. A nossa filosofia manteiga derretida atual, onde tudo é politicamente incorreto, faz com que nos mães tenhamos M-E-D-O dos nossos filhos, e hello, nossos filhos de 1, 2, 3 anos! Pode isso? Me poupe, né?

Temos que tomar as rédeas da situação.

Não tenho mais medo dos ataques de “personalidade” da Bella na rua, se ela der piti, eu calmamente a pego no colo e saimos de onde estamos. Os pitis geralmente se dão porquê a criança quer fazer alguma coisa que não pode e se isso acontece conosco atualmente, eu calmamente pego a minha mini bravinha e seguimos em frente. E querem saber? Como a minha atitude com relação aos gritos mudou, eu já não me sinto mais julgada naquela situação e confesso que nem noto se têm alguem olhando.
Atitude é tudo nesta vida e se me perguntarem quem tem mais autoridade lá em casa, se eu ou a Bella, eu digo a plenos pulmões:
“I`m the boss!”
     

8 Comments on Who’s the boss?

  1. Carol P
    11/07/2012 at 10:47 am (8 years ago)

    Pois eh Rita os pitis sao de enlouquecer. Eu recolho a C na rua e amarro no carrinho. Dai grita esperneia e para pq ignoro, em casa vai pro castigo faz o escandalo nao tem publico dai cansa.
    Olha outro dia eu colocando ela no carrinho e tentando amarrar no meio da rua com tudo caido no chao, pq precisa ter persistencia ateh conseguir fechar o cinto do dito. Quando acalmou veio uma senhora com todas as coisas q estavao no chao, ela juntou e me entrgeou dizendo como vi q tu esta struggling…. EU nao tenho mais vergonha, prefiro ela berrando por 5 minutos q correndo q nem onibus sem freio pelas calcadas.

    Reply
  2. Mamãe Nádia
    11/07/2012 at 11:50 am (8 years ago)

    Adorei! É isso aí! Muito bom ver alguém falando isso aqui nessa blogosfera! Aqui em casa i´m the boss too. E digo com experiência que depois que você é firme no primeiro piti, os outros deixam de existir.

    Reply
  3. Gustavo Correa
    11/07/2012 at 6:34 pm (8 years ago)

    hehehe, difícil tudo isso hein? de fora parece tão mais fácil.

    Reply
  4. rita
    12/07/2012 at 3:44 am (8 years ago)

    Oi Carol

    Sim, colocar no carrinho no meio do piti é uma aventura e tanto!

    Beijo

    Reply
  5. rita
    12/07/2012 at 3:46 am (8 years ago)

    Oi Nádia

    Menina, sabe que ás vezes me sinto meio deslocada no meu estilo de mãe, mas eu acho que pode existir um equilíbrio entre o que nossas maes faziam e o que nos maes atuais aprendemos ser o certo hoje.

    Acho que há muito "nao me toques" atualmente, nao gosto disso, na minha modesta opiniao a criança já cresce desde pequenininha cheia de dedos, ou pior, sem dedos at all! Mandando e desmandando na casa.

    Eu tento…

    Beijinhos

    Reply
  6. rita
    12/07/2012 at 3:47 am (8 years ago)

    Gus…

    Um dia quando tu fores pai tu vais voltar a este blog e reler tudo o que ja escrevi…hahaha

    Não é facil criar alguem, fala serio, dou muito mais valor para a nossa mami agora!

    beijos saudosos

    Reply
  7. Wera Corrêa
    12/07/2012 at 11:45 am (8 years ago)

    Ufa que alivio, lembra que eu sempre dizia "deixem para me julgar depois dos 30" até lá mãe é chata só sabe mandar, mas vocês não me deram trabalho. Numa boa. Tu, por exemplo, só choraste pelo Fievel, até onde eu lembro, sem saber que o Papai Noel já tinha providenciado, só esperando a data para entregar. bjinho

    Reply
  8. Ana Paula Daleffe
    14/07/2012 at 1:13 pm (8 years ago)

    Ai que post confortador…. Assim eu me sinto menos culpada…ou sei-lá.. a Rafaela, embora pequena, já manifesta, em alguns momentos, um início de piti! E o meu maior medo, é o de ela resolver ter um verdadeiro Piti em praça pública! Juro que tenho medo disso. Concordo, hoje as coisas estão muito confusas, a ponto da gente achar que tudo irá traumatizar a criança…
    É isso mesmo, Nós somos as chefes!! Nós ditamos as regras.. Foi muito bom ler isso!! Bjs

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *