Vocês devem ter ouvido falar na polêmica envolvendo um dos últimos exemplares da revista Time americana, aquela em que uma jovem mãe amamenta seu filho de 3 anos na capa.
Chocou o mundo, o que na minha opinião foi um grande exagero, mas acredito que o choque tenha se dado não com a foto ou com a prática da amamentação em crianças mais velhas, mas sim na combinação de pontos que envolvem a teoria criada pelo pediatra americano William Sears.

Dr. Sears acredita que pais sensíveis e “disponíveis emocionalmente” criam crianças sadias, o que resultará em adultos emocionalmente saudáveis. A teoria criada por Dr. Sears, juntamente com sua mulher, Martha Sears, é composta por 7 pontos:
  • Vínculo no nascimento
  • Amamentação
  • Cama compartilhada
  • Uso do sling
  • Acreditar na importância do choro da criança (valerá post especial um dia)
  • Prestar atenção nos métodos para “treinar” a criança (desfralde, por exemplo)
  • Equilíbrio dos pais no modo de criar seu filho
 Pesquisei sobre este assunto antes de pular dentro da polêmica da revista Time, e o que percebi é que há 3 pontos principais que regem esta teoria:
  • Amamentação
  • Uso do sling
  • Cama compartilhada
Dr. Sears baseia seus estudos no fato de que o cérebro humano se desenvolve mais durante a primeira infãncia, muito mais do que em qualquer outra época da vida de uma pessoa, sendo que atingirá 60% do tamanho do cérebro adulto ao completar 1 aninho de vida, ou seja, o primeiro ano é vital na vida da criança. O vínculo mãe-pai-bebê no primeiro ano desenvolve um senso de segurança e uma sensação de “pertencer” na criança, ou seja, ela cresce entendendo que faz parte de uma família, que é parte da sua mãe e de seu pai, assim como um senso de compaixão que crescerá com ela, visto que ela entenderá que assim como suas necessidades são supridas quando ela precisa, ela agirá da mesma forma com relação à terceiros.
Não entrarei no mérito da amamentação pois todas nós estamos carecas de saber que todo bebê deveria ser amamentado quando a mãe têm condições de fazê-lo, a diferença na teoria do Dr. Sears é puramente deixar a criança mesma desmamar, ou seja, sem colocar pressão para largar o peito. Vem daí a idéia para a capa da revista Time.

O segundo ponto, o uso do sling, é chamado em inglês de “Baby Wearing”, visto que você estará vestindo o bebê literalmente, o colocando sob si como uma segunda pele. Dr. Sears observa que em 30 anos de pediatria, a frase mais ouvida de pacientes é :”Sempre que meu bebê estás no colo ele está satisfeito e feliz”, e assim nasceu o sling como vemos hoje. Aparentemente (não vou dar 100% pois não acredito que seja 100% verdadeiro) o Dr. Sears inventou o sling que vemos hoje no mercado. Não sei ao certo, me parece que as mães africanas vem “vestindo” seus bebês muito antes do Dr. Sears ficar famoso. O médico americano leva o uso do sling às últimas consequências, sugerindo que ele seja usado basicamente o dia todo, para que o bebê se sinta protegido não somente na hora do colinho, como o dia inteiro.
A cama compartilhada já sabemos como funciona, sabemos que há o time pró e há o time contra, e a teoria “attachment parenting” apenas sugere o que conhecemos, que este método de dormir em família vêm de longe, desde os primórdios da humanidade quando mães e bebês eram inseparáveis e dormiam juntos sempre. Segundo o médico e sua teoria, para o bebê se sentir seguro e protegido, ele deve dormir na cama dos pais, tendo o leite materno disponível sob demanda, sempre que quiser, inclusive durante a madrugada. Isso também vale para crianças na sua idade de “toddlers”, de 18 meses para cima.
Li bastante o material do site do Dr. Sears e confesso que há muitos pontos interessantes sobre a criação de filhos no website. Pontos simples, que todas nós conhecemos, até os mais excêntricos, mas servem como dica para alguns assuntos que podem melhorar a relação mamãe e bebê.
Vale a pena a leitura.
Clique aqui e saiba mais.
O próximo post deste assunto será sobre a polêmica da matéria da revista em si, sobre os pontos abordados e porquê eles geraram tanto bafafá.
Tô D-O-I-D-A para dar a minha opinião sobre o assunto, mas viram que me segurei, né? Fui bem neutra nesta breve explicação, não acham?

4 Comments on ” Attachment Parenting” – PARTE I

  1. Laurenn Rodrigues
    05/06/2012 at 5:58 am (8 years ago)

    eu devo ser uma péssima mãe mesmo, kk…O Miguel dorme comigo até hoje, e quando dorme no berço a primeira chorada dele, o Marcos vai busca-lo…rsss. Eu acredito sim, na teoria do Dr. Sears, eu acho que quanto mais próximo voce for do seu filho, mais conexão e relação família voce terá para o longo da vida. E na minha filosofia, isso é importante.

    Muita gente diz que é errado, porque errado?

    ansiosa para os próximos posts sobre o assunto. Curti!

    Reply
  2. Gustavo Correa
    05/06/2012 at 4:04 pm (8 years ago)

    Eu sou metido a dar palpite sem nem ser pai ainda. Talvez eu mude de opinião algum dia, mas confesso que acho tudo isto um grande exagero.

    Reply
  3. Karina Rezende
    05/06/2012 at 8:53 pm (8 years ago)

    E desde quando pra se ser próximo do filho tem que se deixar a criança dormir na sua cama ou amamentar até 3 anos?
    Proximidade com seu filho vai MUITO, mas MUITO mais além!
    Pra mim, tem muita mãe que prefere o fácil, o comôdo…porque fazer o que é melhor pra criança, o certo, da trabalho!

    Muito bom o post Rita, como sempre!

    Reply
  4. Pâmela
    08/06/2012 at 7:56 am (8 years ago)

    Oi Rita! Que post legal!

    Eu sou MUITO a favor desta teoria… Mas como tudo na vida não acho que para que ela sirva a todos devemos seguir tudo. Acho sim os 7 pontos importantíssimos, mas já vi bebês que simplesmente não dormem bem na cama com os pais, mas lindamente em seus berço…

    Acho que os 7 pontos deveriam ser uma base, um início, um caminho a pensar e testar, ou observar e ver o que acontece…

    Acredito que se muitos pais dessem valor ou atenção a isso haveria menos reclamação nos consultórios e menos mães e pais atordoados.

    Digo de experiência própria que os pontos nos ajudam e muito a conhecer nosso bebê e a perceber as necessidades fundamentais deles.

    Não acho cômodo dormir com filho, acho prazeiroso (Lara foi para cama como se sempre tivesse dormido ali… muito tranquilo), o mesmo digo a respeito do sling e da amamentação… Acho maravilhoso a mãe que consegue amamentar por bastante tempo… A Lara até hoje, com seus 2 anos e meio ainda vem para o colo, faz carinho no peito, pede leite e eu deixo ela "mamar", vê que não tem leite e "guarda". Morro de dó e percebo que só parou com 1 ano e 7 meses pq realmente não tinha mais leite rsrs

    Mas nesta vida, tudo são pontos de vista.

    Bjo

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *