Fonte desconhecida

Se você tem um “toddler” em casa (idade entre 18 meses a 3 anos e meio) você sabe que a palavra que ele mais gosta no mundo é NÃO!

Não em todas as entonações, do mais lamentoso ao mais descarado, passando pelo não à plenos pulmões que faz os pelinhos do seu braço levantarem. Cada vez que a Bella grita não para mim eu sinto um diabinho me espetando por dentro, é como se eu sentisse crescer aquele calor de raiva (pronto, falei!) que só uma mãe sabe sentir no momento de piti de um filho.

Vocês já estão carecas de saber que estamos passando pelos “terríveis dois” mais terríveis da história, tudo o que está na cartilha a Bella já fez, está fazendo e aposto que fará. Não sei de onde minha filha tira tanta intensidade: nasceu do jeito que nasceu, cresceu desafiando todos os prognósticos que apostavam que ela teria problemas e agora está levando a limites inigualáveis esta fase dos 2 anos.

Vixi, é intensidade demais para uma mãe só!

Eu, como sempre, acredito que se eu não sei a resposta de algo o Google sabe, então lá fui eu pesquisar na hora do almoço a seguinte frase :

“Como fazer com que seu filho páre de dizer não!”

E a minha cara de alívio ao ver o primeiro link indicando exatamente a minha pergunta.
Como mesmo as nossas mães, avós e bisavós viviam sem a internet?

Vamos lá, eis aqui informações preciosas sobre por quê nossas pimentinhas dizem tanto não:

  • Sinal de independência.

Segundo o artigo do Google, a criança começa a dizer não de boca cheia somente quando atinge a fase de independência, e lembrando dos últimos meses da Bella, isso faz todo o sentido. Até 4 dias atrás (quando o pesadelo do não começou) ela nunca dizia não, mas esta semana parece que deu o click. Seu vocabulário está se desenvolvendo na velocidade da luz, a cada dia frases mais e mais complexas, inclusive divagando sobre sentimentos e emoções que ela sente durante o dia. Portanto o seu senso de independência está a flor da pele e achando ela que pode fazer tudo, quando colocada à prova, a primeira reação é…não, óbvio.

  • Porquê causa uma reação em você.

 Putz, eu temia ouvir isso. Os terríveis dois são a fase em que a criança, que já não é mais bebê e já se entende por gente, resolve desafiar a todos, começando por você, mãe. Duvideodó que se você ouvir um não bem cabeludo você não vai ficar irada morrendo de ódio. Eu fico! Eu conto até 50 antes de decidir como responder ao não.

Hoje conversando com a professora da Bella, ela me esclareceu que é muito importante que você não responda ao não de acordo com a impaciência que você está sentindo. Não grite e não dê discurso. Ignore. Ela disse que a criança diz não muitas vezes querendo dizer sim, mas como o não causa uma reação histérica de uma mãe, a criança opta por dizer o não para rir da sua cara, literalmente.

  • A criança ouve não o tempo todo.

Faz sentido, a criança que ouve “não pode isso” e “não faz aquilo” o dia todo acaba copiando o que ouve. Aqui em casa, porém, o problema não é este, nós não dizemos não para Bella regularmente. Nossa casa é território livre para criança, não há nada que ela não possa mexer ou fazer e quando ela pensa em ultrapassar seus limites a guiamos para fazer outra coisa ou explicamos porque não pode, mas não gritamos não como alguns pais fazem. O problema da Bella será explicado mais embaixo.

Uma dica boa para evitar dizer não é:

Ao invés disso: “Não toque no forno”
Diga isso: “O forno está quente!”

Foque na explicação e não na negação propriamente dita.

Dicas de como não alimentar a “crise do não”:

  • Diga não o mínimo possível para seu filho entre 18 meses e 3 anos e meio.
  • Se você tiver que repreendê-lo, o faça de maneira positiva.
  • Não o deixe ver que o não causa uma reação “primitiva” em você (hahaha).
  • Mude as perguntas: ao invés de “Vamos trocar de roupa?”, diga “Vamos ver quanto tempo você leva para se vestir” e a chatice rapidamente passa a ser uma brincadeira.
  • O elogie bastante quando ele fizer algo corretamente.
  • Quando seu filho disser não, responda com um ok ou ãhã, e demore um pouquinho antes de complementar “Podemos fazer isso, mas antes temos que fazer aquilo.”
  • Se mantenha tranquila e lembre-se que a crise do não passará!

Caso da Bella:

Bella não é uma santinha não, bem pelo contrário, nunca vi criança mais pimentinha do que ela, ardida que só, arteira e brigona…..but…..no quesito mau comportamento ela está aprendendo 99.9% na escola. Todos os maus comportamentos são copiados de coleguinhas (100% meninos). Gritar, bater e dizer não não foram aprendidos em casa, mas sim na escola.

Nada substitui a escola nesta idade da Bella, pois o ganho em aprendizado, seja vocabulário, cognitivo ou social, é muito maior do que o mau comportamento aprendido através de coleguinhas, e isso por si só basta. Crianças pequenas que vão para a escolinha são mais “street smart”, ou seja, são malandras, espertas e aprendem rapidamente como se defender, portanto pegam ligeirinho como conseguir o que querem custe o que custar. Observar a Bella na escola é praticamente assistir um filme de ação com pitadas de Poderoso Chefão: você sabe direitinho quem é o Marlon Brando e como ele coordena o resto dos bandidos, o que ele faz para conseguir o que quer e como ele faz, e os mocinhos acabam aprendendo e entrando nos comportamentos “ilícitos”.

Juro, bem assim.

Só existem duas coisas que estão me ajudando nesta fase cabeluda da Bella, ops, três na verdade:

  • Saber que não estou sozinha e outras mães também já passaram por isso.
  • Ler muito, ler tudo, de livros infantis até revistas destinadas à mães e a artigos na internet.
  • Saber que esta fase passará e depois eu até sentirei falta dela.

Respire fundo e conte até 1, 2, 3….100!

    4 Comments on Não! Não! Não!

    1. Ana Derland
      18/04/2012 at 4:10 pm (8 years ago)

      Muito bom, muito bom esse post!! Já vou mudar meu vocabulário aqui em casa. Beijocas

      Reply
    2. JM
      18/04/2012 at 5:14 pm (8 years ago)

      Ser Mae e padecer no paraíso!!!! Hahahahahaah

      Reply
    3. Mercia
      18/04/2012 at 6:22 pm (8 years ago)

      Amei o post!! Vou tentar não falar não com o Lucas, tem hora que sai, automático!!
      É muito bom saber que nao estamos sozinhas!!!
      Beijos

      Reply
    4. Julia
      19/04/2012 at 2:33 am (8 years ago)

      Rita, vc é uma figura! Tive uma professora de Direito e Subjetividade (construção do sujeito, etc!) que dizia que quando uma criança diz não a primeira vez é para ser comemorado pois está virando um sujeito e isso é praticamente um novo nascimento…hehe. Vc esta tirando de letra!

      Por sinal, li recentemente este artigo que pode te interessar, quando der dá uma olhada, ele é bem controverso. Fala que as mães têm que maneirar nos elogios à inteligência dos filhos. Será?

      http://www.updateordie.com/2012/04/17/o-que-acontece-quando-voce-fica-elogiando-a-inteligencia-de-uma-crianca/

      Beijos!!

      Julia

      Reply

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    Comment *