Hoje, passados quase 3 anos do nascimento da Bella, eu lembro não só dos maus momentos na UTI, mas principalmente dos bons momentos. Criamos uma relação muito legal com médicos e enfermeiros, e passamos a ser Bella, Rita e Bryan, e não somente a família Corrêa-Jones, como nos chamavam nos primeiros dias. Bella passou de bebê Jones, para Isabella para então Bella, e com esta pequena mudança de status, de mero pacientes para parte da “família UTI”, começamos a desenvolver até um certo humor dentro das condições em que vivíamos. Entre preocupações e lágrimas, piadinhas com médicos, gozações com enfermeiras, tudo era motivo para rir e tentar espairecer aquele ambiente pesado.

Como já contei aqui, o maior problema que Bella enfrentou na UTI foi um quadro grave de NEC (necrose dos intestinos) e depois de uma extensa cirurgia (mais de 5 horas e um bebê doentíssimo nos dias que seguiram a operação) começamos a perceber que o assunto mais falado dentro da UTI era:

“A Bella Jones já fez cocô?”
“Qual o status do cocô da Bella?”
“Enfermeira, cocô ou nada de cocô ainda?”

Por exatos 30 dias após a cirurgia, Bella não fez cocô e vocês mães sabem que o assunto mais importante no quesito recém nascido é cocô. No caso da minha filha que teve reparos gigantescos nos intestinos, o cocô era a peça chave para saber se ela estava curada ou não, ou se seria preciso uma segunda cirurgia.

Primeiro dia, segundo dia, segunda semana e NADA. Angústia total, até que tive uma idéia:

Criei uma campanha dentro da UTI e até fiz uma plaquinha que ficou colada embaixo de seu monitor:

Campanha pelo cocô da Bella!

Super sucesso, rendeu muitas risadas nossas, de médicos e enfermeiras, e a cada dia que passava mais pessoas entravam na brincadeira.

A campanha era assim, tínhamos algumas regrinhas para ter um vencedor:

“Nos ajude a torcer pelo primeiro cocô da Bella depois da cirurgia.


O primeiro médico ou enfermeira que achar o primeiro cocô da Bella na fralda ganhará um prêmio. 


* Cocô de glicerina não vale (remedinho que a ajudava a fazer cocô)
* Se a mamãe ou papai acharem o primeiro cocô na fraldinha, o prêmio será dado para a enfermeira naquele plantão.”

Bella foi operada no dia 31 de outubro e seu primeiro cocô espontâneo foi no dia 30 de novembro, então você podem imaginar a comoção que foi quando ela fez seu primeiro cocô sozinha. E quem foi que abriu a fraldinha e achou o cocozinho???

A mamãe é claro, acho que nunca me senti tão radiante e empolgada na vida, era como se eu tivesse ganho na Mega Sena! Corri para perguntar para a enfermeira se ela tinha dado glicerina para a Bella, e quando acabei de fazer a pergunta, ela deu um sorriso tão radiante, me olhou com um olhar tão feliz que ela nem precisou responder, eu saí correndooooo pelos corredores da UTI, abri a porta da recepção e gritei para os médicos cirurgiões que estavam sentados olhando exames:

” Bella fez cocô!
   Bella fez cocô!”

Muitos abraços, muitos high fives e muita alegria de todos. Naquele momento percebi que já fazíamos parte da família “Foothills Hospital”, quando a nossa alegria era igualmente dividida por médicos que torciam pelo nosso bebê tanto quanto a gente.

No dia seguinte Bella recebeu alta da ala do estado crítico e foi transferida para o berçário. Aquele cocozinho minúsculo abriu mais uma porta para irmos para casa.

Por isso queridas famílias prematuras, que sabem como ninguém o quão difíceis são nossos dias dentro de uma UTI, não deixem de conhecer os funcionários da UTI, seus médicos, enfermeiros, terapeutas e até as camareiras (minhas favoritas, me davam os lençóis mais bonitos para a Bella), pois é possível manter o humor dentro da UTI e transformar uma espera tão dificil quanto esta nossa, em um momento de um pouquinho de alegria e descontração.

O prêmio dado na campanha do cocô da Bella?
Uma caixa chiquérrima de bombons suíços para a ganhadora, que dividiu com sua turma de plantão!

8 Comments on Humor na UTI neonatal: é possível!

  1. Mamãe Nádia
    10/04/2012 at 8:31 pm (8 years ago)

    Nossa, que lindo! O post de hoje me fez chorar…
    Que emoção!
    Conhecendo a história de vocês eu passo a pensar mais no outro…nas pessoas que não tiveram tudo certinho desde o início. Porque as coisas nem sempre são como a gente espera né? Eu tenho que agradecer a Deus por tudo ter ido tão bem no nascimento dos meus filhos, pois nunca passou pela minha cabeça se as coisas não tivessem saído como eu esperava. Através dessa sua história começo a pensar mais sobre como é ser mãe de um prematuro, e com certeza agora tenho uma noção do que é, pra poder ajudar alguém um dia que passar por essa situação.
    Vamos agradecer a Deus pela Bella, ela é um grande milagre! Uma criança abençoada!
    Um beijo para vocês!

    Reply
  2. AS PAULINAS
    11/04/2012 at 12:01 am (8 years ago)

    Vc me fazendo chorar mais uma vez, hein, Rita?
    Parabéns pra vcs por conseguir ter esperança e chegar tão longe!
    viu só? É verdade! Quem espera sempre alcança!

    Bjo

    Mariliz

    Reply
  3. Mercia
    11/04/2012 at 3:28 am (8 years ago)

    Lindo post Amiga linda! Me fez relembrar os meus momentos tb felizes que vivemos na UTI, a gente forma amigos e família lá! E é tudo tão intenso que marca demais!! A plaquinha de 1 kilo do Lucas era um sucesso, lembra?! Ia atualizando ela diariamente, era muito legal!!
    Mil beijos!

    Reply
  4. rita
    11/04/2012 at 3:54 am (8 years ago)

    Oi Nadia!!!

    Menina, eu tb me sentia assim antes de ter a Bella. Com todas as amigas tendo filhos de 9 meses, tudo na maior normalidade, nunca tinha me colocado no lugar das maes que nao tem tudo "normal". Entao alem de tudo o que aprendi com a Bella quando nasceu, uma das maiores licoes foi entender que nem tudo pode acontecer de maneira perfeita sempre, que ate no imperfeito existe beleza e alegria.

    Uma beijoca grande
    Rita

    Reply
  5. rita
    11/04/2012 at 3:55 am (8 years ago)

    Oi Mariliz!!

    Sem duvida, quem espera SEMPRE ALCANCA, doi e cansa demais, mas sempre alcancamos.

    Deus escreve certo por linhas tortas, nao?

    Beijos grandes
    Rita

    Reply
  6. rita
    11/04/2012 at 3:57 am (8 years ago)

    Mercinha,

    Falou tudo amiga, eh muito INTENSO, por isso nao esquecemos jamais.

    Tu ate me fez pensar….acho que vai render post…hahaha….mas ha poucas coisas na vida que vivemos com intensidade, o primeiro namorado, os primeiros meses de casamentos, logo que um filho nasce….a sensacao horrososa de quando um filho fica doente…por que nao vivemos tudo com intensidade nao eh mesmo?

    Acho que sinceramente, nosso coracao nao aguentaria!

    Beijos e sim, a plaquinha do clube do quilo era so felicidade ne? Tenho a da Bella no album, assim como a do clube dos dois quilos..hahaha.

    Beijo, beijo em ti e gordosinho

    Reply
  7. Mercia
    11/04/2012 at 1:59 pm (8 years ago)

    Tenho que montar o álbum com as fotos e coisinhas da UTI, mas ainda dói muito… Vou esperar mais um pouquinho!!!
    Gordosinho mandou beijo pra ti tb!!!

    Reply
  8. silvia leticia alves teixeira
    09/11/2013 at 2:41 am (7 years ago)

    Oi Rita, td bem? Estou lendo os posts sobre prematuridade hoje, mas já acompanho seu blog a alguns meses. Tenho lido tudo o que você posta, mas agora, na fase de 3-4 anos da Bella, mas não sabia quase nada sobre o parto, hospital, enfim. Sempre lia você falando das experiências que passaram mas agora, lendo este post fiquei emocionada. Realmente passamos por situações muito difíceis na vida, mas que com certeza nos fazem crescer como pessoas… Não tive filhos biológicos, portanto não passei por nada parecido, mas tenho dois filhos do coração, que são tudo pra mim (Bruno de 10 anos e Maria Julia de 7, são irmãos biológicos e estão conosco a 7 anos). Sei o quanto é difícil quando estão doentes, mas imaginar todo esse tempo à espera de um cocô é realmente diferente. Mas hoje, depois de tudo isso, vê-la linda, saudável e feliz é mais do que gratificante né? Um presente! Grande beijo pras duas.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *