Semana passada comecei a pesquisar uma atividade diferente para a Bella fazer na primavera-verão. Aqui no Canadá cada cidade, bairro para ser mais exata, possui um ou mais centros comunitários muito completos: tem atividades para todas as idades, academia de ginástica, piscina térmica para natação e muitos programas interessantes para crianças, desde bebezinhas até a adolescência.

Comecei a fazer uma lista das aulinhas que tinham potencial com a Bella, ou seja, que sejam ligadas ao seu interesse neste momento e que possam a vir despertar novos interesses no futuro:

  • Dança

1-  Ballet clássico (a aula clássica com tutu-tutu cor de rosa e todos os frus-frus dignos de ballet)
2-  Ballet “Busy Bee” (focando em contos de fadas, fadinhas, fantasias e muitas brincadeiras)

  • Arte

1- Estúdio de Arte (cores, tintas, texturas, tudo para a criançada colocar a mão na massa)
2- Oficina de cerâmica (aulinha com argila, pintura e escultura)

  • Música 
  • Natação

 E por aí vai.

Eu tinha grandes planos de já ter matriculado Bella em uma das aulinhas, mas estou na maior dúvida, pois as opções são tão bacanas que dá vontade de fazer mais de uma. O custo, porém, não me permite.

Quando me dei conta que o que estava me prendendo era o custo, comecei a pensar no futuro escolar da Bella. Assim, despretenciosamente, mas mesmo assim, fiquei surpresa comigo mesma, pois não imaginei que este tipo de questionamento fosse aparecer agora, quando minha filha tem apenas 2 anos.

    O ensino no Canadá não é ruim até onde sei e as escolas seguem a mesma linha do Brasil: públicas, particulares e particulares católicas. Vejam bem, não pesquisei a fundo, mas até onde sei podemos classificá-las assim. Hoje, conversando com minha colega de trabalho, que leva sua menina para a escola particular católica, ela me disse que a mensalidade fica em torno de 600 dólares. Perguntei quanto custa a mensalidade de uma escola particular “normal”, sem ser católica, e ela disse que gira em torno de mil dólares.

    Cof, cof….problema à vista.

    Problema 1: meu marido é ateu, não deixará a Bella ir para uma escola católica nem que a vaca tussa e cacareje. Eu não sou católica praticante mas acredito em Deus, mas entendo o lado dele pois novamente, até onde sei, as escolas católicas daqui são “hard core”, ou seja, bem carolas. Nada comparado as aulas de religião que eu tive no Colégio das Dores de Porto Alegre, onde tínhamos meia horinha matada de religião algumas vezes por semana e era isso. Aqui é católica fervorosa e, sendo ele ateu, entendo que não queira Bella indo numa escola assim. Não discordo dele.

    Problema 2: O motivo pelo qual as escolas particulares “não religiosas” sejam mais caras é por que o governo subsidia as católicas, então estas acabam sendo mais baratas. Teríamos que pagar os tais mil dólares pela escola da Bella.

    Problema 3: Moramos em uma das cidades mais CARAS do mundo. Morar em Vancouver é para os corajosos, e comprar um imóvel em Vancouver é para os corajosos e loucos, pois investe-se pesado em imóveis e acaba-se tendo um valor bastante grande mensalmente com isso, que é o nosso caso.

    E agora?

    Ainda estamos 2 anos longe de ter que decidir sobre este assunto concretamente, pois somente quando uma criança completa 5 anos os pais precisam decidir para que escola ela irá, mas neste momento o meu questionamento é:

    A longo prazo, pensando na bagagem escolar e cultura da Bella ao longo de sua vida acadêmica, o que contará mais para a minha filha?

    Um ensino particular mais forte, com um orçamento apertadíssimo em casa, sem extras para lazer, viagens e afins, ou um ensino “a lá Canadá” (bom, pois estamos falando do Canadá e nada é ruim no Canadá, posso garantir a vocês), onde sobraria um valor extra para atividades educativas fora da escola e também para lazer e viagens, que nós sabemos bem, conta culturalmente para uma pessoa tanto quanto um bom ensino acadêmico?

    Dúvidas e mais dúvidas.

    Não estou falando de universidade, pois isso já está decidido e renderá um post especial no futuro, pois Bryan e eu já discutimos sobre este assunto e já abrimos uma conta (bem diferente, por isso reservarei o assunto para outro momento) para a Bella ter sua universidade garantida quando chegar a hora. Com universidade não se brinca e os pais da Bella não estão aqui a passeio, queremos garantir que ela tenha condições de ir para a faculdade que escolha, até a Harvard se ela quiser (vai saber, né?).

    A questão é o colégio mesmo.

    Neste momento e vale dizer que eu mudo de idéia seguidamente, eu diria que estou pendendo mais para a opção escola pública e atividades culturais diferentes com ocasionais viagens. Gostaria de poder proporcionar a minha filha aulinhas legais quando ela mostrar interesse, que ela possa fazer natação, fazer aula de música que ela ama, que possa cursar outra língua se tiver interesse, enfim, gostaria que nossa família tivesse condições de proporcionar estas coisas para a Bella, mas morando na cidade mais linda, mais chique e mais cara do mundo, fica difícil dar conta de tudo.

    Então estou plantando a sementinha na cabeças de vocês também meninas, mais para pensarmos no que conta mais quando falamos da educação dos nossos filhos: o currículo acadêmico em si ou um bom ensino aliado a uma bagagem maior de culrura? Sei que no Brasil as coisas são bastante difíceis em termos de ensino, mas existem meninas que moram nos EUA, na Europa e na Oceania, então esta pergunta vai para vocês!!

    Por hora vou decidir de uma vez e matricular minha pimentinha em uma aula bem bacana, pois pagando uma babilônia de creche, só me resta escolher UMA aulinha.

    10 Comments on Pensando no futuro escolar

    1. Pâmela
      21/03/2012 at 2:45 pm (9 years ago)

      Rita se eu te disser que antes mesmo da Lara nascer este assunto já me afligia você acredita???

      Olha só, aqui no Brasil você sabe que escola pública é uma ou outra que oferece um ambiente e ensino de qualidade. No meu caso, morando em sp, isso cai quase pra zero! Fato.

      Então aqui sempre pensei em escola particular.

      Depois que eu fiz pedagogia fiquei mais seletiva e atenta a tudo que acontecia dentro da escola. Depois que a Lara nasceu aí o estrago foi feito, porque fui atrás de TUDO sobre desenvolvimento infantil e muito mais de perto do que na época da faculdade, já que observo ela todos os dias né. Cheguei a triste conclusão que a escola ideal aqui é CARA, de verdade. Um jardim da infância legal, não sai por menos de 700 reais…

      Para você ter uma ideia das minhas atuais pesquisas não encontrei nenhuma escolinha infantil em que crianças de maternal não tivessem pelo menos 1 apostila de atividades. Fiquei abismada, como criancinhas tão pequenas tem que se sentar na cadeira e na mesa e completar atividades, sendo que ainda nem tem coordenação motora fina o suficiente para fazer uma linha… Acho triste! Daí as escolas que seguem a linha mais natural de acompanhar o ritmo da criança pequena, focar no lúdico, no prático é vista como diferente (e são mesmo) e cobram uma fortuna… Já até me consolei com esta realidade…

      Aqui em casa rola muito este assunto de escola confessional ou não. Como temos uma religião específica pensamos numa escola religiosa também, porém esta não oferece todas as oportunidades de aprendizagem que queremos. Ficamos divididos ainda. Por outro lado eu como professora tenho gratuidade para a Lara na escola em que eu lecionar, então consideramos isso.

      Mas acredito que oportunidades de estudo, crescimento como pessoa, cultura e afins estão além do muro da escola (apesar dela ajudar muito, ou atrapalhar né), portanto, acho mais gratificante ter outras oportunidades de adquirir cultura e aprendizado que dentro dos limites da escola. Acho que vale muito mais a pena poder viajar, fazer aulas de interesses afins do que frequentar uma escola sensacional e só e nada mais!

      Aqui estamos praticamente decididos por isso, o lugar bom pra ela será onde eu estiver lecionando. Assim economizamos $$, sei de perto o que ocorre em cada atividade, e posso oferecer pra ela outras oportunidades de aprendizagem, cursos e passeios.

      Mas para uma família que dispõe de pouco tempo eu diria para fazer um esforço a mais e pagar uma escola mais completa. Se não vai poder levar para um lugar diferente depois da escola para fazer alguma outra coisa então é melhor frequentar uma escola que ofereça outras oportunidades além da sala de aula.

      Mas no seu caso Rita que disse ter uma boa escola pública como escolha não vejo porque não usar, apesar de entender seus questionamentos. Acho que uma vida com oportunidades de fazer várias coisinhas seguindo o interesse pessoal é muito mais gratificante do que uma escola super poderosa rsrrs (a não ser que pudesse os dois né?!)

      Aqui Lara já tem frequentado a natação 1x por semana e em setembro pretendo colocá-la no balé (clássico, prefiro, se quando ela crescer quiser algo diferente, ela poderá escolher), daí terá 2 atividades diferentes por semana. Pra quem não vai na escola até que é bom né?! Depois que entrar na escola não sabemos como ficará…

      Outra coisa pela qual ainda não nos decidimos é se a colocamos ano que vem na escola (3 anos) ou esperamos ela completar 4 anos…

      Já faculdade, espero que ela queira fazer uma pública, agora se o curso que ela quiser for diferente será um pouco mais difícil, mas faremos o possível para ajudá-la a conseguir o que quiser.

      E olha não acho nada precoce pensar nisso viu… aqui meu marido até fala do intervalo entre os filhos, para assim, caso fosse o caso, quando um terminasse a faculdade o outro estaria entrando, daí não pesaria os custos de dois cursos superiores ao mesmo tempo rsrsr. Nunca é cedo pensar e planejar a este respeito!

      Bjo

      Reply
    2. Anonymous
      21/03/2012 at 7:25 pm (9 years ago)

      Oi Rita!!

      Achei super bacana o seu post. Não sou mãe ainda, mas eu tenho um depoimento que talvez seja do seu interesse. Estou fazendo parte do meu doutorado na Yale e tenho convivido com algumas pessoas muito interessantes, que estudam por aqui. Inclusive moro com uma chinesinha cujos pais vieram da China quando ela tinha 6 anos e moram no Canada, ela foi criada no Canadá e hoje é aluna da Yale Medical School, umas das universidades de medicina mais reconhecidas do mundo.

      Ela estudou em escolas publicas (do Canadá) a vida toda e fez o College em uma Universidade daí também. Ela deve ter sido sempre excelente aluna nestes colégios o que fez com que ela conseguisse chegar até aqui. Bem, a moral da história dela (ao meu ver) é que em um lugar no qual as escolas públicas são boas os alunos de excelência se destacam e o fato da "escola pública" não irá limitar as oportunidades do aluno no futuro. Ao mesmo tempo, estas "Ivy League Universities" também valorizam muito a história pessoal do aluno, as suas experiências e a formação crítica. Imagino que na sua "realidade canadense" o seria muito interessante poder alocar recursos para a formação geral da Bella (viagens, curso de línguas, etc) e ainda contar com uma base sólida de uma escola boa.

      De todo modo, tenho certeza que vocês vão tirar de letra isso pois, como você bem sabe, independente da escola, o que mais conta na formação da criança é o incentivo, apoio e monitoramento familiar dos estudos.

      Beijos!!

      Julia

      P.S.: Já vejo a Bella com a camisa Yale, Class of …

      Reply
    3. Gerliane
      21/03/2012 at 7:37 pm (9 years ago)

      Oi Rita, acho que cultura vale muito mais do que o currículo acadêmico em si. Meu marido e eu sonhamos em dar para o nosso filho não só a oportunidade de estudar línguas e culturas diferentes da nossa, mas de morar fora, nem que seja dar uma de mochileiro e ir conhecer o mundo, não me importo de que o Heitor no futuro tenha que perder um ano ou mais pra poder fazer intercambio fora, por exemplo. Penso que isso traz muito mais riqueza de conteúdo pra uma pessoa, faz dela alguém mais decidido pelo que quer e como conseguir. É claro que isto é a nossa opinião…
      A verdade é que morando numa cidade do "interior do interior" do Brasil isso é muito difícil, mas estamos trabalhando para tanto… Meu filho só tem dois anos e já entrou na escolinha. Antes eu tinha as mesmas dúvidas de todas as mães: não será muito cedo? será que não vai ser prejudicial? A verdade é que eu não podia ter tomado uma decisão melhor. A criança que tem uma boa base familiar de afeto e atenção, mesmo que seja só durante aquele tempinho (eu e o marido trabalhamos fora) se desenvolve muito mais na escola. Ele é filho único mas sabe compartilhar, fica feliz ao ver os coleguinhas, e os coleguinhas tb quando o vêem, é educado e não tem essa de ter aprendido palavrão… Educação mesmo a gente dá em casa. Na idade dele a escola é mais um local de confraternização e desenvolvimento de relacionamentos em grupo então cada família é diferente neste ponto pois as necessidades variam em cada lar, se eu ficasse o dia em casa e pudesse leva-lo pra brincar todos os dias no parquinho talvez não precisasse da escola agora. Mas como já disse estou muito feliz com a decisão que eu tomei. bjos

      Reply
    4. emma
      21/03/2012 at 10:35 pm (9 years ago)

      Rita, fico te devendo um e-mail sobre seu post, ok? Posso falar a experiencia q tive/ tenho nos USA, um pouco no Brasil e agora aqui na Alemanha.
      Beijocas,

      Reply
    5. rita
      22/03/2012 at 2:30 pm (9 years ago)

      Oi Pam!

      Sem duvida, concordo contigo, no Brasil a situacao eh diferente, escola publica, salvo excecoes, nao eh de qualidade condizente com uma faculdade no futuro, ainda mais uma publica, a crianca tera que ralar muitoooo para competir com alguem vindo de uma escola particular.

      Que otimo que tu ganhas desconto na tua escola, entao pronto, decidido!!

      Sabes que um amigo do Bryan sugeriu um intervalo maior entre um filho e outra ate em funcao de pagar escolinha. Ele tem 2 meninas, de 2 e 4 anos, e disse que esta pagando DOIS MIL DOLARES pelas duas meninas. Por isso ele sugeriu que a gente pensasse em espacar os filhos, assim quando um entrasse na pre escola ( 5 anos e escola publica), teriamos condicoes de pagar a creche do mais novo.

      So pensando e planejando muito, pois quando nao se tem fundos infinitos, tudo tem que ser mais planejado.

      Beijo beijo

      Reply
    6. rita
      22/03/2012 at 2:38 pm (9 years ago)

      Julia

      Amei seu somentario, como eh bom ver a historia real de alguem saido do Canada e recebendo scholarship em uma universidade da Ivy League.

      Tambem posso imaginar a Bella com esta camiseta.

      Beijocas grandes
      Rita

      Reply
    7. rita
      22/03/2012 at 2:48 pm (9 years ago)

      Oi Gerliane

      Gostei demais do seu comentario, concordo contigo. Embora o ideal fosse todas criancas terem as mesmas oportunidades escolares, com ensino de qualidade para todos, sabemos que nao eh bem assim.

      Tambem acredito que o aprendizado e cultura nao vem somente da escola, la se aprende o basico, o beaba que na verdade, se formos pensar NUNCA vamos usar: quimica, fisica????? Mas enfim, faz parte do curriculo.

      Mas ter condicoes de fazer um curso interessante, um intercambio, poder viajar de vez em quando, conhecer outras culturas.

      E concordo contigo novamente, a escola faz muito bem para as criancas, principalmente as pequenininhas. Em casa, com mae, baba e avo, a interacao com outras criancas, o que eh extremamente importante nesta idade eh quase nula. Na escolinha eles tem contato com seus "iguais", aprendem mais rapido, se divertem o dia todo. E assim a familia tambem tera 2 rendas, o que permitira planejar para o futuro com mais tranquilidade, com apenas 1 renda eh dificil demais, quase impossivel.

      Beijocas grandes
      Rita

      Reply
    8. rita
      22/03/2012 at 2:49 pm (9 years ago)

      Emmaaaaa

      Tu precisas de um blog amiga!!!!!

      Tu teria TANTA, TANTA, TANTA coisa interessante para contar sobre tuas experiencias no exterior.

      Voto por BLOG PARA EMMA ja, para ontem!

      Nada de desculpas hein?????

      Beijinhos e cade meu email?
      hihihi
      Rita

      Reply
    9. Anonymous
      22/03/2012 at 4:46 pm (9 years ago)

      Rita,
      meu filhote tem apenas DOIS anos e eu já penso muito nisso! Ainda mais aqui no Rio de Janeiro, que as melhores opções são mesmo as escolas particulares, e no meu caso e do meu marido, escolhemos as escolas particulares católicas, que são as que mais se destacam no ensino particular brasileiro.
      Como vc deve ver nos jornais, o preço de TUDO aqui no Rio está pela hora da morte, moradia, comida, escola, enfim. Pra você ter uma ideia, pago pela creche do meu filho, período integral (8 horas) R$ 1.700,00 (CRECHE, não é faculdade… rss). A escola que estamos pensando, que também é período integral, ano passado passado estava em torno de R$ 2.300,00… No nosso caso, que não temos essas escolas públicas boas, não dá nem pra pensar muito, é apertar o nariz e se jogar (rss..), e apostar num colégio de excelência.
      Pensamos muito numa escola bilíngue também, mas aí achamos que ele ficaria em falta com o ensino de Português e cultura brasileira, já que moramos no Brasil…
      Difícil esse tema, né?
      Beijos,
      Claudia Pinheiro.

      Reply
    10. Carol P
      27/03/2012 at 4:43 pm (9 years ago)

      Rita,
      Outro dia escrevi muito e nao consegui publicar. Aqui as escolas tem um ranking, publica e privadas entram no mesmo pacote.
      Aqui do lado de casa tem uma outstanding publica e a C vai ir nessa se for aceita. Mas tenho um pe atras com publica pq no Brasil eh muito ruim. Mas ao mesmo tempo ter a oportunidade de ir em uma escola bem cotada e publica eh um alivio ao bolso e dai sobra mais para os resto .
      Aqui tambem tem q levar muito em consideracao a area aonde se mora, em boas areas os colegas serao gente como a gente.
      Enfim eh uma decisao com;icada

      Reply

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    Comment *