Banner Botoezinhos e Pais que Educam

É com muito prazer e fogos de artifício que hoje temos post especial da pedagoga Pamela Grego, do blog Pais que Educam.

Estamos vivendo as dores e delícias da alfabetização aqui em casa e se eu estou sofrendo com tantas dpuvidas, aposto que muitas outras mães sentem o mesmo.

  • Como ajudar o filho nesta fase de alfabetização?
  • O que devo fazer? O que não devo fazer?

Vamos as informações que a Pamela nos dará!

hand

Olha lá, esse post pode ser o mais prático que eu já fiz. Quem me conhece sabe que eu sou muito reflexiva e sempre divido com vocês pensamentos, teorias, descobertas e possibilidades. Sempre como um convite para construirmos caminhos juntos, ao invés de entregar uma receita.

Mas por conta de umas práticas escolares que andam tirando sono de pais e, finalmente, das crianças, eu decidi me manifestar de forma mais enfática. E pra começar nosso papo eu te convido pra uma prática. Para isso você precisará de papel, caneta e acesso ä internet (você está lendo esse texto, então “ok” para esse ponto).

A primeira coisa que vou te convidar a fazer é: pegue a caneta com a mão que você não escreve. Se você for ambidestro então folha de papel no chão e use os pés. Em seguida pegue um texto na internet escrito em mandarim. Ótimo, agora copie e comece a formar palavras. Volte daqui 30 minutos. (PS da Rita aqui, chorando de rir que chegou a cair lágrima).

default1587_0

E aí, como foi? Com os seus anos de experiência eu imagino que já tenha conseguido escrever pelo menos uma frase, certo? Errado, nada disso. E nem é pra ser, a não ser que você tenha uma ótima habilidade em línguas, que seja um estudante da área, ou claro, que saiba mandarim. Mesmo assim eu tenho certeza que você encontrou o entrave da habilidade motora. Como você se sentiu?

Vamos para a parte dois da nossa conversa agora, pois você está mais pronto pra ver o tema do nosso papo do ângulo certo. Quanto tempo você acha que demoraria pra dominar a escrita (habilidade motora) e aprender a elaborar textos em mandarim (sem ser cópia?). Quantas horas de estudo por dia? Você dedicaria algum tempo ao lazer ou se levaria para a exaustão?

Agora eu consigo começar a falar sobre a pressão para alfabetização na infância. Veja, existem várias questões integradas quando uma criança aprende a ler e escrever. Vamos falar de algumas: Existe uma habilidade motora envolvida; Existe a construção da língua no proprio pensamento (não conheço ninguém que consegue ler sem se ouvir mentalmente, talvez porque isso não seja possível); existe a construção dos signos, onde cada símbolo escrito representa uma unidade sonora e a composição das unidades sonoras compõe uma palavra que por fim signifiquem algo. Quando uma criança aprende a ler e a escrever ela reconstrói a língua na mesma medida que quem a criou.

Four Kids Jump

Então, ok, estamos agora mais prontos ainda pra falar de alfabetização. Educadores e escolas estão presos em um sistema construído há séculos atrás cujo propósito era equiparar todas as mentes em um formato só e que só foi revisto na medida de atender as necessidades de um mercado de trabalho cada vez mais tecnológico. Esse sistema não está pensando, pelo menos não em sua estrutura, na felicidade e bem estar do seu filho. Precisaremos de muitos passos antes de mudar isso.

Agora que você entendeu o que é a alfabetização e entendeu qual é o modelo que as escolas estão presas, R-E-L-A-X-E com diagnósticos assustadores de “inabilidades”. Suspeite, esteja conectada com seu filho através de jantares juntos, abraços longos, conversas sobre o dia e fins de semana de diversão em família.

Agora vamos a como ajudá-lo a ter prazer em ler e escrever, ver sentido nisso além de um exercício escolar e como uma função social que faz parte do nosso dia-a-dia.

  • Momento dos pais só com a criança. Uma vez por semana que seja. Tirem um momento de vocês. Ouçam o que ea tem pra contar da escola, perguntem coisas do dia a dia dela. Nessa hora esqueçam “puxões de orelha” da escola.
  • Coloquem responsabilidades só dela: Arrumar a cama, guardar algo, ajudar papai e mamãe ou qualquer responsabilidade que seja dela e que vocês confiem nela para fazê-la). Tem que ser a mesma atividade, toda semana (pelo menos 3x na semana).
  • Chega de falar sobre “os problemas dela na escola” na frente ou perto dela. Assunto de portas fechadas, e-mails e telefonemas. Ela está se sentindo acoada e inibida com a situação. Quando for pra falar sobre o assunto, sejam abertos e francos. Algo como “Querida, a escola está preocupada porque você não está lendo. Queremos que saiba que estamos com você pra ajudar-lhe e vamos ler vários livros muito legais até aprender.” Simples, franco e cheio de amor.
  • Sugiro que encontrem uma atividade só dela, em que a criança possa fazer algum esporte ou algo artístico. Ela precisa ter um grupo dela, alguma atividade que  goste e se envolva com outras crianças.
  • Sempre que possível leitura juntos. Esse é um mandatório diante da situação. Momento de prazer mesmo! Leiam um livro engraçado, de um jeito engraçado ou algo divertido, interpretem, se desinibam e brinquem.
  • Brinquem de montar palavras com letras recortadas de revistas (PS da Rita aqui, amei esta parte!!!! Brincava disso quando criança)
  • Peçam pra que ela escreva um livro sobre seu tema favorito. Sem correções no começo.
  • Peçam pra que ela escreva a “lista de  compras” de casa.

E amor demais pra vocês!

Four Kids JumpPamela,

Muito obrigada pela sabedoria de sempre, por tirar mais um peso dos ombros de uma mãe e por sempre colocar em perspectiva que tudo na vida tem um contexto: ler e escrever não são apenas ler e escrever, mas sim se comunicar com o mundo, abrir e cultivar novos interesses e regar a plantinha do aprendizado.

Eu, mãe da Bella, e todas as mães nesta jornada de alfabetização, te mandamos um super beijo de muito obrigada!

2 Comments on Alfabetização: Passo a Passo

  1. Renata
    24/05/2016 at 8:22 pm (3 years ago)

    Oi Rita, minha filha está tendo sérios problemas com alfabetização por conta da dislexia e do déficite de atenção. Existem escolas especializadas em Vancouver mas são uma fortuna!!! tipo $30.000 ano. Mas eu descobri uma ong que ajuda as crianças com dificuldade de aprendizado e tem sido uma bênção pra mim: a LDAV.

    Reply
  2. Fernanda
    25/05/2016 at 12:46 pm (3 years ago)

    Adoreeiiiiii!!!!!
    obrigada por compartilhar

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *