8_1.php

Relembrando um pouquinho a nossa historia da prematuridade antes de iniciar o assunto do post de hoje:

  • Bellinha nasceu de:
  • 25 semanas de gestação – 810 gramas – 31 centimetros
  • 15 semanas antes do previsto
  • Passou 138 dias internada de UTI Neonatal
  • Passou por uma serie de intercorrências médicas + cirurgia de Enterocolite bem séria e complexa
  • NÃO teve, porém, nenhum problema ou sequela cerebral

Ok, agora vamos lá.

A medicina fala que o prematuro extremo (sem sequelas, presumo) alcançará outras crianças da sua idade aos 3 anos (fisicamente) e aos 5 anos (cognitivamente), e de fato, no caso da minha filha este prognostico fechou certinho, mas hoje, com 6 anos e meio e na escola, este prognostico esta sendo testado mais a fundo.

Há estudos que mostram que criancas afetadas pela prematuridade extrema podem sofrer algum nivel de dificuldade de aprendizado, mas os estudos, porem, nao revelam como esta dificuldade se apresentara e nem como, muito menos no caso de prematuros extremos como a Bellinha.

Há que se entender que a prematuridade exibe maior ou menor grau, ou seja, um bebe que nasceu de 35 semanas de gestacao nao pode ser equiparado a um bebe nascido de apenas 24 semanas, nao funciona assim.

Agora que minha filha chegou nesta fase escolar, tenho pesquisado muito sobre o assunto e, infelizmente, nao tenho achado nada de substancial sobre o desenvolvimento escolar do prematuro extremo. Super frustrante. O maximo que encontro é o depoimento de outras maes como eu. Ate posso entender pois, afinal, ate uma decada atras as chances de sobrevivencia de um prematuro extremo como a Bella, por exemplo, nascida de apenas 25 semanas de gestacao, eram muito pequenas, ainda mais sem sequelas.

O prematuro extremo poderá apresentar na escola:

  • Falta de atencao
  • Ser mais agitado
  • Precisar de mais tempo para aprender a ler
  • Processar informacao de maneira diferente de uma crianca nascida a termo, e isso se apresenta, tambem, no aprendizado

Vejam bem, este post é baseado na minha experiencia com a minha prematurinha e seus desafios na escola, assim como em leituras que tenho feito sobre artigos sobre a prematuridade x aprendizado, e relato de outras maes prematuras. Tambem em conversas extensas que tive com a pediatra Neonatal da Bella e a psicologa da turma de prematuros. Obviamente nao sou medica, mas sou mae prematura que ja viveu muito diagnostico dificil e aprendeu a pesquisar sozinha as respostas para os desafios da sua prematurinha.

O que se entende sobre o assunto até agora é que o nascimento abrupto e prematuro faz com que o cerebro do bebe, ate entao nao totalmente desenvolvido, se re-conecte de uma maneira diferente do que faria em um cerebro desenvolvido em 9 meses, e esta re-coneccao eh a parte que a medicina ainda esta estudando. Minha filha, por exemplo, em todos os testes que fez ao longo de seus 6 anos, mostrou que ela consegue chegar ao objetivo de um teste, mas as vezes o caminho que ela leva para chegar ao resultado é diferente do esperado.

O que temos feito para auxiliar Bellinha na escola?

  • Minimizar (ou cancelar) outras atividades

Ela estava matriculada em musica, aula de portugues e ginastica olimpica, atividades que requerem muito foco e muita disciplina, portanto neste momento estas aulas estavam mais atrapalhando do que ajudando, visto que eram mais uma fonte de estresse para a crianca. Eliminamos a musica e ginastica por hora e apenas deixamos a aulinha de portugues.

  • Procurar ajuda

Esta parte rendera um outro post, mas vou adiantar um pouquinho aqui. Quando descobrimos algumas dificuldades na escola, imediatamente comecei a pesquisar e a procurar ajuda. Conversei com a pediatra neonatal ( especializada em prematuros) e com uma psicologa especializada em prematuros. As duas disseram a mesma coisa, que nao se sabe ao certo o quanto a prematuridade extrema afeta a crianca e que como mae, meu dever eh de “advogar” pela minha filha em busca de toda ajuda que ela precise. Conversei e converso muito com a professora da escola e com o educador responsavel pelos testes pedagogicos que a escola faz para nivelar os alunos.

E importante pesquisar e procurar ajuda, nada caira do ceu e medico nenhum lhe dara um be-a-ba de como ajudar seu filho prematuro extremo no quesito aprendizado, infelizmente, ate porque a medicina nao sabe ao certo ainda.

Minha filha esta fazendo acompanhamento pedagogico semanal com a psico-pedagoga Pamela Grego, do blog Pais que Educam, que tem trabalhado com ela varios fatores que ela obeservou em seu comportamento. Temos trabalhado bastante em casa tambem (outro post especifico sobre isso mais adiante).

  • Pedir que medicos/psicologos deem conselhos praticos para a escola

Quando Bella saiu da UTI ela foi acompanhada por 5 anos pela clinica Perinatal, especializada em prematuros. Quando ela tinha 5 anos, antes de receber alta, a psicologa deu conselhos praticos para o desenvolvimento de Bella e alguns para repassarmos para a escola, como por exemplo, pedir para a professora que ela sempre sente na frente seja na mesa perto da professora ou nas rodas de contacao de historia e afins. É importante que os pais sempre lembrem os professores sobre estes pequenos detalhes, que certamente ajudarao ao prematurinho se concentrar e nao se distrair em casa de aula. Outra dica foi para nunca coloca-la perto da porta ou janela, outras fontes de distracao.

  • Voce precisará “trabalhar” em casa com seu filho

Não adianta nada esperar que os outros ajudem o seu filho, eh preciso que voce faca a sua parte. Esta eh a licao numero 1 que aprendi.

1- Se informe na escola sobre o curriculo que a crianca esta aprendendo.

2- Peça uma copia do curriculo ou uma nocao geral do que esta sendo ensinado

3- Pergunte de novo (e de novo) quais sao as expectativas da escola para aquele momento do ano letivo. O que exatamente a escola espera que seu filho ja saiba neste ponto do ano escolar? As demais criancas ja estao sabendo isso ou ainda nao?

Comparacao nao adianta muito, mas ao mesmo tempo voce precisa entender o que os coleguinhas ja sabem, para dar uma melhor nocao do que seu filho ja deveria saber aos olhos da escola.

4- Entenda que a escola tem suas expectativas e elas não são individualizadas. Jogam a criançada toda lá dentro do mesmo saco e esperam que todos aprendam e saibam o mesmo. Nao eh justo, mas eh como eh…..cabera a nos pais prematuros correr atras.

  • Procure outras maes

Ninguem entendera de prematuro extremo como outra mae de prematuro extremo, isso eh fato. Eu nao conheco ninguem aqui na minha cidade, mas minha melhor amiga no Brasil, a minha querida Mercinha, mae do Luquinhas, é minha parceira de prematuridade, conversamos muito sobre nossos pequenos e trocamos ideias. Tambem pesquiso no Google e sempre acho depoimentos de outras maes que estejam passando pelo que eu estou passando, para ter uma ideia de faixa etaria e suas dificuldades, assim como tratamentos ou atividades que estejam fazendo com seus filhos.

 

 

2 Comments on Os desafios do prematuro extremo na escola – Parte I

  1. Mamãe Nádia
    23/03/2016 at 2:24 am (3 years ago)

    Rita, mas que problemas a Bella tá tendo na escola? Não está lendo ainda? Acho que isso não é nada demais, cada criança tem a sua hora, mesmo as que não foram prematuras e de mesma idade…cada uma tem a sua hora. Eu fui professora do primeiro e segundo ano no Brasil e via que cada criança aprendia no seu tempo, eles nunca estavam todos lendo ao mesmo tempo na classe, cada um aprendia na sua hora.
    O Pedro está lendo agora mas ele teve um acompanhamento especial na escola, chamado Reading Recovery. Ele tinha 1 hora de aula de reforço separado com uma professora, de outubro até março, e agora está no nível do resto da classe. Mas demorou. No ano passado ele não aprendeu nada no pre-school, só brincava, e segundo as professoras estava tudo bem. Aí nesse ano ele trocou de escola e viemos pra uma escola super puxada, onde só tem chineses, e aí o Pedro era o atrasado da sala, pois todos já sabiam ler. Mas logo no primeiro mês o professor detectou isso e encaminhou ele pro Reading Recovery e foi o que fez ele aprender a ler. Foi essa atenção individualizada todos os dias, pq o Pedro tem concentração difícil também. Em casa mesmo sendo professora eu não meti um dedo na alfabetização dele, pois aqui é tudo diferente, eu não conheço o sistema deles e não quis interferir. Só o que eu fiz foi ler todos os dias com ele, lemos 2 livros obrigatórios todos os dias como tarefa de casa, no início eu lia pra ele, depois ele ia lendo as palavrinhas que sabia e agora ele lê pra mim. Essa é a tarefa de casa obrigatória, e mais as atividades de escrita e matemática. A tarefa de casa faz muita diferença, porque eles vão praticando e tendo a atenção individualizada de nós. Mas fora isso a gente não tem como fazer milagre, é a escola que ensina eles a ler. Vê se na escola da Bella tem o Reading Recovery, não são todas que tem, mas ajuda demais!
    E tenta não ficar tão preocupada porque isso é completamente normal, ela vai aprender na hora dela, se ela sentir pressão ou se sentir pra trás pode fazer mal…
    Bjos!

    Reply
  2. Gabriela Reis
    27/03/2016 at 5:35 am (3 years ago)

    Ola Rita,
    Muito bom seu texto. Não conheço muito sobre esse assunto, mas como mãe e curiosa que sou, gostaria de dar uma opinião. Será que a aula de musica nao seria melhor para ela do que a de português? Conheço o trabalho do Curumim, por isso estou perguntando. E me informei muito sobre aulas de música qdo fui matricular minha filha mais velha. So uma dica??? Gaby

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *