Criou-se em Red Deer, provincia de Alberta, no Canadá, um movimento chamado Yellow Ribbon Dog.

O que seria este projeto?
Ele visa conscientizar o público que crianças, e por que não adultos, não devem se aproximar de cães que não conhecem, basicamente. Na verdade o projeto visa mostrar que não devemos nos aproximar de cães que não tem um comportamento muito social, ou são animados demais, ou que possam ser perigosos de alguma forma.
Vamos falar do meu buldogue, o Butters?
Ele é o amor em pessoa. Gordinho, baixinho, engraçado, é você levar o Butters na rua que a cidade pára. Adultos, crianças e velhinhos vem conversar com ele…mexer….fazer carinho. Gente, eu amo, sou coruja, adoro quando as pessoas gostam do meu cachorro, mas ele é um cachorro. Ponto. 


Ele é um buldogue.
Um cachorro que pesa 30 quilos, que quando está feliz demais e pula nas minhas pernas, me deixa roxões que duram mais de 1 mês. Um cachorro que por ser tão pesado, quando me arranha por acidente, suas unhas não só cortam como deixam um hematoma.
Não se deve se aproximar de cachorros que você não conhece.
Vale para Pitt Bull.
Bulldogs..
Labradores.
Cachorros como poddles e Yorkshires.
Até um Chiuaua pode ser problemático, do seu jeito.

Não existe raça 100% perfeita, qualquer animal pode se assustar, ter medo, ficar irritado e simplesmente morder ou arranhar você.
Uma das minhas maiores birras é quando levo meu cachorro para caminhar na rua e outras pessoas vem com seu cachorro….caminhando em direção ao meu buldogue de 30 quilos…cara a cara….para dar oi.
Pelamorrrrr….tira seu cachorro daqui, amigo!
Tá maluco?
Meu buldogue é alpha, é dominador, ele não faz por mal, mas ele tem instinto animal, assim como ele deixa a Bella brincar em cima dele e jamais mostrou qualquer comportamento agressivo para minha ex-prematurinha tão frágil quando bebê, é um cachorro que não gosta que outro cachorro, seja da raça que for, venha na sua cara dar oi.
Agora que descobri sobre esta campanha vou fazer uma fita amarela para o Butters ter junto a sua coleira. Um lembrete para que as pessoas tenham noção de que não devem se aproximar de um cachorro que não conhecem.
Eu não acredito que meu buldogue fofo e gordo vá morder alguém, mas ele é pesado, poderoso com seu corpo de bulldog, não é um poodlezinho que você vá correr o risco, entendem?
Eu aconselharia vocês aí no Brasil a também adotarem a fita amarela e se juntar a esta causa. 
Vamos conscientizar a população que nossos bichinhos tem sua própria personalidade, mais dóceis ou não, e que os outros devem sempre perguntar se podem dar oi ao cachorro, fazer um carinho. Eu jamais mexo em um bichinho que não conheço, e já ensinei minha filha que só pode olhar de longe, a não ser que o dono veja que ela quer fazer carinho e diga que pode, que não tem perigo.
Para ilustrar que meu cachorro é fofo e querido e não faria mal a uma mosca!
Mas sempre fomos muito atentos ao Butters perto da Bellinha e até hoje procuro não deixar os dois sozinhos. Ele é muito bonzinho e querido com ela, ela é a pessoa favorita dele, mas ela é criança, meio estabanada, as vezes assusta o pobre cachorro.
Nunca é demais prestar atenção nos nossos bichinhos e nas nossas crianças, para evitar incidentes e acidentes.

1 Comment on Cachorro “Fita Amarela”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *