Tenho pensado muito ultimamente no que fazer com a minha filha:

  • Boto na natação?
  • Já botei, ok, deixo na natação?
  • Natação no inverno canadense vale a pena?
  • Tiro da natação?
  • Boto no ballet?
  • Tiro do ballet!
  • Bota na aula de música? Ela ama música!
  • Ou jogo tudo para o alto e deixo a menina ser criança e era isso?
Afinal, minha filha já vai para a escolinha todos os dias, tem absolutamente todas as atividades que nós mães consideramos importantes em um currículo infantil, como arte, música, roda de histórinhas, aitividades pedagógicas com enfoque no alfabeto, números, e por aí vai, então me pego pensando, se eu já proporciono estas 8 horas de muita diversão e aprendizado para a minha filha 5 dias por semana, será que ela precisa mesmo de atividades no final de semana?
Eis a questão!
Já comentei aqui no blog sobre isso, mas parece que mais e mais eu leio e ouço falar sobre esta questão da estimução precoce das crianças. Parece que ninguém sabe direito esta resposta, nem os médicos, nem os pedagogos e muito menos nós mães que somos sacudidas feito furacão Katrina, uma hora tal coisa é boa, 2 meses depois é ruim, valha-me Deus.
Nunca esqueço de ouvir de absolutamente todos os médicos da minha filha que ela deveria ter o famoso “tummy time” desde bebê, ou seja, eu deveria colocá-la de barriga para baixo para que ela mexesse o pescocinho para cima, afinal, era bom fortalecer os músculos para sei lá o que! Gente, isso foi há 4 anos, não faz nem uma década ainda, mas aparentemente já existe a turma que diz que não se deve de jeito nenhum forçar uma criança a fortalecer o pescoço, ela o fará quando estiver pronta.
Tá e daí?
E nós mães fazemos o quê? Acreditamos em quem?
Devemos ou não estimular nossos mini prodígios a tudo quanto é informação desde bebê? Transformá-los em mini pessoas estressadas que são obrigadas a estudar ballet, música ou arte quando só queriam mesmo é ficar em casa brincando de lego.
Você já perguntou para o seu filho se ele gosta mesmo destas aulinhas?
Eu perguntei, e ouvi um redondo NÃO da minha filha.
Pô, eu que gastei mais de 100 dólares com roupinhas lindas de ballet, para depois ouvir um NÃO, “não gosto de ballet mommy”.
Pelamor né?
Aquele não teve um profundo impacto em mim, pois me fez parar e pensar em que realmente estas aulinhas estão acrescentando no desenvolvimento da minha filha. Não gostaria de contribuir para a super lotação da agenda dela, sábado é dia disso, domingo é daquilo, e segunda começa-se tudo de novo. Tanta correria e stress dos pais  provocam grande ansiedade nas crianças, e o que era para ser uma fase gostosa da vida, cheia de brincadeiras e descanso, virou uma maratona maluca para os pais no final de semana. E vamos combinar, além de tudo isso, que já é o bastante para fazer você refletir, ainda entra a questão do investimento $$ nas aulinhas, e o fato de você virar motorista nos finais de semana, quando eles também são dedicados para você descansar.
Já li inúmeros artigos que citam falta de resultados concretos provando que a super estimulação acadêmica na infãncia tem efeitos positivos no futuro. Uma criança que faz natação, música, dança e arte será mais bem sucedida que outra que não faz “nada” nos finais de semana?
Não!
Aparentemente não existem estudos que comprovem isso.
Então por quê exatamente estamos acelerando tanto o ritmo dos nossos filhos?
Criança precisa de tempo para ser criança e hoje não estamos proporcionando este tempo para eles.
Eu não tenho a resposta certa, a única coisa que sei é que não matricularei minha filha no ballet por hora, esperarei ela me dizer com todas as letras que ela tem vontade de dançar, não sendo assim uma mera vontade minha, e estou pensando em tirá-la da natação agora no inverno, deixando-a com a agenda vazia no inverno todinho!
Credo, que luxo!
Terei minha filha só para mim no final de semana!
Mas peralá….não era para isso ser normal?

** Os pais atuais trabalham o dia inteiro e a maioria de nós precisa deixar seus filhos na escolinha desde cedo da manhã até o final da tarde, impossibilitando assim atividades extra-curriculares durante a semana. O que se vê hoje são pais e filhos extremamente cansados com a corrida sem fim nos finais de semana, levando as criancas da natação para o ballet, do baller para música, da música para aulinha de arte.

Antigamente conseguia-se encontrar tempo para você, ou a avó ou babá, levar seu filho nas aulinhas, mas o mercado de trabalho atual já quase não permite tempo livre durante a semana. As aulinhas extra curriculares que deveriam ser um prazer para a criança, viram motivo de correria e estress não só para ela como para os pais.

É neste sentido que me refiro quando digo desacelerar a infância. Uma aulinha extra durante o final de semana ainda vai, mas o corre-corre é a parte desnecessária, a parte que causa cansaço na família inteira. **

7 Comments on Desacelerando a infância – ATUALIZADO

  1. Flavia M Malacarne
    04/12/2013 at 10:27 am (4 years ago)

    Oi Rita, concordo com voce que ter os finais de semana cheio de atividades não é legal! Pra mim, final de semana tem que ser livre! Mas acho que as atividades extra-curriculares sao importantes. Acho que o problema aqui nao sao as atividades e sim pratica-las no fim de semana. Quando crianca eu sempre fiz muitas atividades mas todas durante a semana, depois da escola. Acho que o problema e que muitas criancas hj ficam na escola o dia todo (acho q principalmente no exterior, nao sei bem no brasil), e nao tem tempo durante a semana pra essas atividades. No caso, seria ideal que as escolas tivessem atividades extra-curriculares como esportes, musica, ballet, etc.
    Ja sei que vou ter esse problema com o Bernardo, pois acho importante fazer um esporte pelo menos, e vou ter que arranjar tempo na agenda dele…
    Beijossss,
    Flavia.

    Reply
    • rita
      04/12/2013 at 9:44 pm (4 years ago)

      Flavinha amiga

      Que saudade dos nossos longos papos ne?
      Mas agora com o Bê o tempo ficou curto ne?

      É uma pena que no exterior, como tu dissestes, as criancas sejam obrigadas a passar o dia inteirinho na escola. Aqui no Canada ao menos nao existe meio turno, eles ate chamam de part time, mas ao inves de meio turno eh x dias por semana. E nem que existisse meio turno, quem no exterior tem com quem deixar as criancas? Pai e mae trabalham o dia inteirinho, chegam em casa as 6 da tarde ou mais tarde ainda.

      Se B estivesse no Brasil indo para uma escola meio turno eu certamente matricularia ela em varias aulinhas, a minha bronca eh com a semana cheia com a escola e depois o final de semana cheissimo dirigindo para la e para ca, estressando a crianca pois estamos eternamente atrasados, e nunca descansando.

      Este eh o meu dilema, o meu problema, pois aulinhas durante a semana sao completamente inviaveis!

      Beijos saudosas
      Rita

      Reply
  2. **Lih**
    04/12/2013 at 1:31 pm (4 years ago)

    Oi Rita,

    Criança tem que ser criança, uma atividade ou outra faz muito bem! só não pode exagerar e exigir de mais!

    Beijos!

    Reply
    • rita
      04/12/2013 at 9:35 pm (4 years ago)

      Lih

      Sim, uma atividade e outra sem problema, mas vejo criancas aqui fazendo 4 aulas por final de semana, gentem, crianca e pais nao descansam nunca.

      🙁

      Beijos

      Reply
  3. Fernanda Fatio
    04/12/2013 at 9:10 pm (4 years ago)

    A Valentina faz patinação aos sábados, mas é apenas meia-hora e ela adora. Todos os dias me pergunta quando ela vai ter aula no gelo. Aos domingos tem artes, mas ela já faz esse há mais de 1 ano (quando era a única coisa que ela fazia fora da escola), e ela também adora, não posso deixar papel e caneta que ela faz a festa. Já a natação (começou agora no verão, é mais pelo aspecto terapêutico. Ela tinha pânico de molhar a cabeça, a ponto de eu não conseguir nem encostar minha mão molhada nela. E tinha altas crises na hora de lavar a cabeça. Então eu deixo, embora já seja a 5a. vez que ela faz o nível 1 porque não pôe cabeça embaixo d'água nem sob promessa de ganhar chocolate, rs rs.
    Acho que dá pra achar um equilíbrio. Depois dos 4 anos, eles já conseguem nos dizer o que gostam. Não precisa encher a criança de programas, nem fazer aulas que requeiram uma certa competitividade (ao meu ver, isso pra quando eles forem mais velhos e puderem trabalhar melhor essa questão). As atividades extra-curriculares devem ser divertidas, em primeiro lugar, onde a criança curte tudo e não sobrecarregar a família como um todo. Se tem que fazer mil e uma rotinas para planejar como levar, como pegar, etc, tem algo errado aí.

    Reply
  4. rita
    04/12/2013 at 9:28 pm (4 years ago)

    Fer

    Verdade, se as criancas gostarem de verdade eu sou a favor de se matricular sim, mas o que vejo são pais colocando os filhos nas aulas que eles gostariam que os filhos fizessem, um bando de coisas que muitas vezes as criancas nem gostam de fato. Eu estou observando bastante a B, pois alem de ser um gasto substancial no orcamento da familia, é uma chatice ficar dirigindo para tudo quanto é canto justo nos 2 dias que a familia tem para descansar. Se a crianca gosta ok, mas se nao gosta, dai nao tem por que.

    Ela seguira na natacao…talvez nao no inverno, estou pensando ainda, mas estou pensando se coloco ela na musica ou nao, este eh o meu dilema.

    Vamos ver!

    beijinhs

    Reply
  5. Marlene Casagrande
    05/12/2013 at 11:34 am (4 years ago)

    Assunto do momento este… to aqui acompanhando os comentários e como moro no Brasil, interior de SP, aqui não temos mta atividade ou cursos durante os fins de semana, tudo acontece durante a semana mesmo. Um período a criança vai pra escola e no outro faz seus cursos e, claro, há exageros… como diz Roberto Shinyashiki:

    "Paranóia e depressão cada vez mais precoces. O pai quer preparar o filho para o futuro e mete o menino em aulas de inglês, informática e mandarim. Aos nove ou dez anos a depressão aparece. A única coisa que prepara uma criança para o futuro é ela poder ser criança. Com a desculpa de prepará-los para o futuro, os malucos dos pais estão roubando a infância dos filhos. Essas crianças serão adultos inseguros e terão discursos hipócritas. Aliás, a hipocrisia já predomina no mundo corporativo."
    Paranóia e depressão cada vez mais precoces. O pai quer preparar o filho para o futuro e mete o menino em aulas de inglês, informática e mandarim. Aos nove ou dez anos a depressão aparece. A única coisa que prepara uma criança para o futuro é ela poder ser criança. Com a desculpa de prepará-los para o futuro, os malucos dos pais estão roubando a infância dos filhos. Essas crianças serão adultos inseguros e terão discursos hipócritas. Aliás, a hipocrisia já predomina no mundo corporativo"
    Revista IstoÉ

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *