” Todos merecem a chance de amar e de serem amados.”

Há tempos assisti a um vídeo no youtube sobre o amor de Shane e Tom, um casal que ficou junto por 6 anos até a morte de Tom. A família de Shane aceitava sua união com o namorado, diferente da família de Tom que não só não aceitava como também rejeitava o filho e o ameaçava. Tom faleceu em um acidente e Shane foi ameaçado e proibido de ir ao enterro do seu namorado, seu companheiro de 6 anos. Foi também excluído do testamento de Tom, sendo que compraram uma casa juntos e eram sócios em uma empresa.
Tudo seria diferente se o casamento gay fosse legalizado.
Shane teria tido a chance de se despedir do seu amor, do seu companheiro de 6 anos.
Shane teria tido a chance de cuidar dos preparativos do seu funeral.
Shane teria tido a chance de cuidar do patrimônio que ele e seu marido construiram com o fruto do seu trabalho.

Shane e Tom são todos nós.
Pessoas que vivem a sua vida no caminho do bem, pessoas que se encontraram, se apaixonaram, fizeram planos.
Shane e Tom não estão sozinhos, nós somos todos iguais, mas sendo iguais, por quê seus direitos são diferentes?
Vivemos em um mundo tão dificil, conturbado, é tão difícil você encontrar a sua cara metade, e quando você finalmente encontra, quem são os outros para dizer se isso é certo ou errado. Que religião é esta que prega o bem mas que condena o amor, que prega a união quando na realidade não a aceita. Que leis são estas baseadas na religião e não na razão? Em que momento as leis serão finalmente separadas da doutrina religiosa? Uma coisa não tem nada a ver com a outra!
Se a sua religião não aceita a união de seres humanos, pois é isso que todos nós somos, então guarde esta opinião e doutrina para você mesmo, a legalização do casamento gay não tem nada a ver com você aceitar esta união ou não, mas sim com dar proteção legal a um casal que se casa, novamente… assim como eu e você.
A história de Shane e Tom virou um documentário recém lançado no festival de Tribeca, Bridegroom, é já é considerado o filme mais relevante de 2013.

 O respeito ao ser humano tem que ser ensinado desde criança. É de criança que se aprende a amar o próximo, a aceitar o que é diferente, a dar valor ao que realmente importa, deixando de lado muitas vezes certas percepções que você tem em prol da aceitação do outro. Posso não concordar com isso ou aquilo, mas esta sou eu, e quem sou eu para ensinar a minha filha que ela deve amar A ou B, quem sou eu para influenciar a maneira como ela amará o próximo? Quem sou eu para me dar ao luxo e a cara de pau de rejeitar uma escolha que ela fará no futuro……uma escolha tão íntima quanto é amar alguém, escolher com quem ela irá se casar?
A nova geração está aí, na nossa frente, pedindo para que ensinemos o real valor da vida e do amor, a deixar de lado os preconceitos e aceitar o ser humano como ele é.
Se você é gay, se você não é, é tão irrelevante. Somos todos iguais.
A maior prova religiosa que você pode dar é aquela que todas as religiôes pregam, mas nem todas realizam….amar o próximo.
Simples assim.
Uma das músicas mais lindas e verdadeiras sobre o amor.

 O trailer de Bridegroom:

O filme estara disponivel no Netflix dia 27 de Outubro!

4 Comments on Ame o próximo, seja ele quem for

  1. Mamãe Nádia
    21/10/2013 at 3:31 pm (4 years ago)

    Concordo com cada vírgula! Mesmo sendo religiosa minha opinião é a mesma que a sua.
    Muito bom o post!
    Beijos!

    Reply
  2. Gustavo Correa
    21/10/2013 at 4:05 pm (4 years ago)

    Excelente post, acho muito válido relembrar algo que, na verdade, é muito simples, mas as pessoas esquecem.

    Reply
  3. Anonymous
    22/10/2013 at 1:41 am (4 years ago)

    Um dos textos mais sensatos que já li sobre o assunto 🙂
    @si_monek

    Reply
  4. Marieli Lucena
    09/11/2013 at 11:24 pm (4 years ago)

    Assisti ao documentário hoje, estou até agora snif snif….
    Muito lindo!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *