Não posso reclamar, a minha filha come super bem, come quase todos os legumes, verduras e frutas, a maioria inclusive crú, então não posso me queixar, mas eu percebo que conforme vai crescendo, vai ficando um pouco mais chatinha para comer. Ela come, mas dependendo do que é servido, reclama, então estamos ensinando alguns pontos básicos para ela:

  • Tem que comer o que tem na mesa
  • A mamãe só cozinha uma refeiçãopara todos
  • Nossa casa não é restaurante
  • Não precisa comer muito, mas tem que provar e comer ao menos a metade
  • Existem crianças mundo afora que não tem o que comer, que vão dormir com a barriguinha vazia, e você tem a sorte de ter comida na mesa todos os dias, você nunca passa fome
  • O daddy e a mamãe trabalham para colocar comida na mesa, portanto não podemos reclamar do que temos de almoço e jantar
  • Temos que agradecer diariamente pela comida que nós temos
Valores básicos que acredito que uma criança tenha que aprender desde pequenininha. Eu trabalho demais e chego em casa super cansada, mas cozinho com o maior carinho para a minha família, portanto o mínimo que eu espero é que todos comam as refeições que eu faço sem reclamar.
Ela é bozinha, mas como percebi que ela andava fazendo cara feia para certas comidas, coloquei este novo plano em ação. E o negócio aqui funciona assim, ou ela come o que está na mesa, ou ela não come nada, pois eu não farei ou oferecerei opções 1, 2 e 3 para uma crianca de 4 anos, nem pensar!Isso aqui não é restaurante, ué?
O segredo é enfatizar que ela não precisar comer T-O-D-A a quantidade da comida que não gosta muito, mas ela tem que comer ao menos a metade, isso ajuda a criança e não se assustar com a quantidade servida. Na escolinha observamos isso, crianças que trazem de casa um pratinho de almoço mega cheio, tende a não comer quase nada. Mas os pais que mandam pratinhos mais “realistas” em sua quantidade, tem filhos que tendem a comer mais. Uma criança pequena se assusta com um prato cheíssimo, e vamos confessar aqui, nós mães sempre lotamos o prato na esperança da criança comer mais, mas quase sempre o efeito é inverso. Eu faço os pratinhos da Bella com uma quantidade mais pequena do que grande, se ela quiser mais ela repete, mas quando tem alguma comida que ela não gosta muito, eu boto pouquinho e ainda assim digo que se ela comer metade eu já estou satisfeita, assim ela aceita provar comidinhas novas e come ao menos um pouquinho daquilo que não é muito chegada.

A nova estratégia é nova, mas até agora esta surtindo um efeito positivo, vejo que ela não reclama mais.

2 Comments on Ensinando a comer o que tem

  1. **Lih**
    19/08/2013 at 1:58 pm (4 years ago)

    Oi Rita,

    Super concordo!
    Sinto por não ter feito com que meu filho mais velho tivesse bons hábitos alimentares, ele come pouquíssimos alimentos como frutas, verduras e legumes. Já a menina come um pouco mais, mas nem tanto também!

    Beijos!

    Reply
  2. Roberta Corrêa
    19/08/2013 at 7:31 pm (4 years ago)

    Bah Rita, isso faz uma diferença imensa na nossa vida adulta depois! Eu sou muito grata até hoje a educação alimentar mega rígida que tive na infância. Quando eu chegava em casa do colégio meu prato estava pronto, eu não tinha escolha! Tinha que comer o que estava ali. Quando ia na casa dos meus amiguinhos eu achava estranhíssimo que eles podiam escolher as variedades de acordo com o que tinha na mesa. Meus lanches eram bem reguladinhos também, nada de ganhar um pacote de bolacha, mas sim a quantidade que eu deveria comer (até hoje acho um absurdo uma pessoa conseguir comer uma pacote inteiro de bolachas numa sentada só!). Resultado? A pessoa aqui come quase de tudo que existe nesse mundo, de quiabo a mocotó! Beijinhoss

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *