Fazia tempo que não lia uma daquelas reportagens boas de verdade, que fazem você parar e refletir sobre o futuro desta geração que estamos criando.
A revista Time está com um artigo fantástico sobre a “Geração me me me”.

A reportagem me deixou com aquela dorzinha de estômago típica de quem sentiu o chapéu servir, em muitos aspectos.
Vamos as minhas observações:
A revista aponta os nascidos entre 1980 e 2000 como narcisistas, preguiçosos, alienados e “gente boa”, no sentido pejorativo da coisa. Lógico que sabemos que é uma generalização, mas me diga se você conhece muita gente assim, do seu círculo de amizades?

  • Narcisistas
Eu culpo o Steve Jobs por isso, pois desde que o smartphone foi criado, todos nós viramos narcisistas de uma maneira ou outra. Bota a mão aqui quem já virou o ângulo da cãmera para bater uma foto sua e depois de 17353 fotos iguais você finalmente optou pela mais bonita para colocar no seu Instagram, Facebook ou blog. Diacho, viu? É a pura verdade. 
É um tal de vejam a minha roupa linda, as minhas unhas lindas, a minha casa linda, a comida linda do restaurante que eu frequento, se formos parar e pensar é ridículo demais, mas todos nós fazemos isso e como todos fazem, nem nos damos conta e achamos tudo normal.
Eu também faço isso, o chapéu fica lindo em mim!
Sem medo de admitir as nossas faltas, não é mesmo?
Não acredito que exista voltar no tempo e não usar mais a tecnologia que temos disponível hoje, seguiremos narcisistas, mas podemos, quem sabe, nos dar conta disso e tentarmos cortar um pouco este impulso.

  • Preguiçosos
A revista conta que em meados dos anos 90 80% das pessoas queria ter um cargo de responsabilidade, mas ninguém queria começar de baixo para chegar lá. Acho uma graça quando todos querem ser gerentes mas ninguém quer começar devagarinho, aprendendo, engolindo sapo e trabalhando pesados em empregos menos glamourosos.
Quando cheguei no Canadá trabalhei como professora de escolinha ganhando NADA, fiquei neste emprego por 2 anos, depois trabalhei 4 anos em uma empresa de contabilidade e por 2 destes 4 anos eu trabalhei arquivando documentos….de pé o dia todo, sozinha em uma sala meio escura arquivando documentos e cheia de cortes de papéis nos dedos. Dureza. Chato ao cubo, de 100 funcionários da empresa, eu tinha o cargo mais chulé, com o perdão da palavra, até a secretária tinha mais glamour do que eu, mas vamos lá, eu era imigrante recém chegadano país e não tinha moral alguma para exigir outro trabalho. Tive que engolir o orgulho e trabalhar numa coisa chata, que pagava pouco, pois senão eu não subiria de posição nunca na vida.
Acho hilário ver imigrantes (brasileiros ou não) que se mudam para outro país e ficam chorando que não conseguem emprego, tem emprego para dar e vender, mas você não será gerente meu amigo, terá que arregaçar as mangas e trabalhar como todo mundo faz.
A nossa geração espera as coisas cairem do céu, de pára-quedas, quando sabemos que nada caiu do céu, se você não acordar cedo e for trabalhar, nada acontecerá para você.
A preguiça é ára estudar, para levantar cedo e trabalhar, somos uma geração bem preguiçosa mesmo, uma pena que seja assim.

  • Gente Boa
Achei bem interessante este ponto da revista, antigamente as pessoas se dividiam em 50% otimistas e 50% pessimistas, mas hoje o que vemos publicado na internet é 90% de otimismo. A revista aponta a personalidade #deboa para explicar que ao menos, apesar dos outros defeitos, a geração me me me é mais liberal quanto as diferenças e a minoria.

  • Alienados
Ahhhh isso eu não sou. Eu sou 100% atualizada em tudo! Eu leio diariamente as notícias brasileiras, canadenses e a americana também, como moramos aqui do lado sei que ela nos afeta bastante. Sei de tudo o que acontece, nem que seja superficialmente. Sei os tópicos sobre política e economia (embora as vezes não entenda direito, mas tô por dentro), me interesso pelas descobertas científicas, pois é um assunto que o Bryan gosta e discutimos seguidamente, adoro a parte de cultura e estou sempre por dentro dos lançamentos de livros e filmes.
Eu confesso que tenho birra de gente que diz: “Eu não leio notícia pois só tem coisa ruim.”
Há controvérsias. Se me deparo com tragédia demais no jornal, é opção minha pular aquela matéria ou não, mas simplesmente deixar de ler um jornal por dia por causa de tragédia não é desculpa. Você estará deixando de se informar sobre o restante dos 90% das matérias.
 E outra, gente que não lê não tem papo, sabemos disso, a pior coisa é tentar conversar com alguém que não sabe nada, não está por dentro de nada, fica a sensação de ter que ficar procurando assunto para falar, pois qualquer coisa que se aborde o assunto morre em 20 segundos.
Fica a dica.

  • Ansiosos
Eu sou muito ansiosa e estressada. Fato. Só muita terapia para mudar este meu comportamento.Esta ansiedade toda é reflexo da correria atual. Reclamam que somos preguiçosos e alienados, mas para não ser você tem que se virar nos 30 para dar conta de casa, filho, trabalho e leitura de 3 jornais por dia…hahahaha.
A revista define assim a ” geração me, me, me” ou “Millenium” como chamam:

  • Otimistas
  • Abraçam o sistema
  • Mais pragmáticos, menos sonhadores
  • Vivem em um mundo sem grandes líderes políticos
  • Obsecados por celebridades
  • Acreditam em Deus, mas não são ligados a idéia de religião
  • Sofrem de maneira aguda a não estarem atualizados (mas não quanto as notícias reais, e sim as do Facebook e Instagram)
  • São bem informados, mas escolhem ser inativos
  • Amam seus Smartphones 

 CONCLUSÃO DA RITINHA AQUI

Eu já sou burra velha para mudar na minha essência, posso aparar uns comportamentos duvidosos aqui e ali, mas a minha missão é não permitir que a Bella cresca com este pensamento “me me me” desde cedo na vida. Se isso acontecer daqui 15 anos, ok, é mais difícil controlar um filho na adolescência, mas quero ensinar a minha filha HOJE a ser um ser humano informado mas dentro de um limite aceitável.

  • Ensiná-la a usar a tecnologia, mas não ser dependente dela (menos Ipad, mais brincadeiras)
  • Não encorajar ela ser vaidosa….ela é naturalmente, mas eu não quero encorajá-la
  • Ensiná-la a não ser preguiçosa
  • Ensiná-la a fazer algumas tarefinhas em casa para fazer parte da família que contribui ativamente no funcionamento da casa.
Já comecei a ensiná-la a me ajudar a botar as roupas na máquina, ela tem que juntar os brinquedos que joja pelo chão (na nossa casa não existe brinquedos pelos chão, tudo é guardado e organizado) e ontem me dei conta que o meu projeto de gente não levava a sua lancheira para a escola, agora é tarefa dela carregar a sua lancheira. Devagarinho vamos adicionando mais tarefas na listinha da Bella.
E aí, meninas?
O que acharam desta matéria?
Como podemos lutar contra isso ou ajudar nossos filhos pequenos a crescer mais voltados ao nós e não tanto ao me?
Leia na íntegra na revista.

6 Comments on Geração me me me

  1. Ana
    14/05/2013 at 8:14 pm (5 years ago)

    Interessante essa matéria, Rita. Eu acho que a gente não pode esquecer o viés americano que exite nela. É uma revista americana, claro, então o jornalista está analisando a sociedade americana em primeiro lugar. Claro que esse comportamento está espalhado hoje e reflete em muitos outros países.

    Essa coisa da preguiça que você comentou, eu concordo. Acho que todo mundo acha que a vida é fácil hoje, e não quer começar por baixo. Eu acho isso triste. Eu li não sei onde também que essa geração acha que tem direito de ser feliz. Ou seja, não sabem lidar com frustrações e não aceitam não ter seus desejos não cumpridos.

    Tarefa dura essa nossa de criar filhos nesse mundo de hoje, viu? Mas vamos fazendo nosso melhor, né?

    Reply
  2. Sandra Nogueira
    15/05/2013 at 2:25 am (5 years ago)

    Nossa, como professora universitária meus alunos são todos desta geração e vi a maioria deles nessas categorias o que me faz refletir, como vc, de como distanciar, o máximo possível, a Helena destas características. Eu e o Guilherme somos professores na mesma universidade e conversamos sempre de como faremos para que a Helena não se torne um dos nossos alunos "me, me, me"…mas temo que esta será uma tarefa difícil, ao mesmo tempo necessária. É para pensar, principlamente nas pequenas coisas, como estas que vc vem inserindo na rotina da Bella, que podem trazer benefícios para o futuro dela e torná-la menos "me, me, me"…bjos

    Reply
  3. Pâmela
    15/05/2013 at 5:44 am (5 years ago)

    Puxa que reportagem!!!

    Olha eu acho que ela foi muito assertiva! Narcisista eu posso dizer que não sou mesmo hahha MUITO difícil tirar uma foto de mim mesma, me sinto ridícula fazendo isso rsrsr, nem alienada, posso não conhecer com profundida um assunto, mas adoro uma notícia, uma curiosidade então… ADORO!!! Uma amiga de trabalho até me apelidou de google kkkk vê se pode, mas é pq adoro fuçar nas coisas, ler sobre tudo!

    Mas sabe que um dos motivos de eu ter saído do face era essa sensação de alienação, de ansiedade sobre tudo ali…estava me fazendo mal. Tchau tchau, ao menos por enquanto rsrsr

    Agora eu acho mesmo, que de uma maneira geral, a galera quer é estar por cima da carne seca o quanto antes, e tem gente que não admite estar por baixo… tão ruim isso né?! Me faz lembrar de uma frase "ostra feliz não produz pérola!"

    Também penso o mesmo para a criação da Lara. Eu já sou cheia de manias e dependências… Posso melhor, mas não dá pra renascer hhahahah Aqui também vamos inserindo mais e mais coisas no dia a dia da Lara, mas é duro viu, a menina é dura na queda… A rotina de automaticamente guardar os brinquedos é a que dá mais trabalho, porque ela espalha messssssmo rsrs.

    bjo bjo

    Reply
  4. Anonymous
    15/05/2013 at 11:09 am (5 years ago)

    Oi, Rita! Adorei a matéria da Time, algumas questões são mesmo as nossas – de nosso tempo -individualismo, narcisismo e uma vontade de ser considerado "the best" sem ter que suar por isso. Como a Pâmela, acabei saindo do Face também, achei que a maioria dos feeds eram de gente mala, pronta para pegar uma causa qualquer e chamar de sua por 1 dia, pois amanhã tem outra bandeira a se levantar!

    De todo modo, de repente as crianças que estão sendo criadas neste sistema vão acabar sendo menos "absorvidas", sei lá, passa a "novidade" de ter que falar tudo o que se faz, se tem e (não) se pensa! Vai ser cool ser discreto, profundo e solidário. Como seria bom! #wishfulthinking

    Gostei muito do seu post, não poderia deixar de comentar! Mais uma coisa, quanto à Bella, com diz o meu marido "o fruto não cai longe do pé", ou seja, ela está bem encaminhada!

    Beijos,

    Juia

    Reply
  5. Gustavo Corrêa
    15/05/2013 at 12:07 pm (5 years ago)

    Ótima matéria,é exatamente o que ando percebendo. Eu acredito que não me enquadro nesse perfil, mas como sou muito observador, tenho percebido que a gurizada anda bem assim.

    Reply
  6. Micha Descontrolada
    15/05/2013 at 1:55 pm (5 years ago)

    oi, Rita, cheguei aqui pelo blog da Carol pra ler o post do encontro de vcs q ela linkou, mas esse post me fascinou. Sou professora (de educação física) e (quase)tdo ligado à educação me interessa e essa reportagem é bem legal.
    Concordo com seus pontos de vista.

    Beijosssssssssssssssss
    ┌──»ʍi૮ђα ツ

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *