O Bryan e eu adoramos almoçar ou jantar fora, antes de termos a nossa filha íamos seguido, geralmente antes ou depois de um cineminha, mas depois que você vira pai e mãe e principalmente se você mora longe da família e não tem babá, a coisa complica.
Nós seguimos saindo para comer fora, mas hoje escolhemos restaurantes mais família, onde a presença de criança não incomoda ninguém.
Nós moramos em Vancouver, ou seja, existem centenas (verdade) de restaurantes bárbaros por aqui, em downtown então, nem se fala. Os restaurantes mais sofisticados, badalados e de chefs famosos estão há 15 minutos de seabus daqui de casa, mas nós vamos? 
Não.
Pois é, aqui entra a polêmica do assunto, convém levar crianças pequenas em restaurantes “não-família”?
Eu não levo não, acho que causa mais aborrecimento do que prazer. Causa irritação em outros clientes que estão gastando para fazer uma refeição especial em um restaurante e causa ansiedade nos pais que passam tentando domar a criança. No nosso caso a Bella é bem boazinha, ela consegue se comportar por 1 hora tranquilamente, quietinha na mesa comendo, lendo livrinhos e afins, mas ela é uma criança e como tal não quer ficar sentada muito tempo, daí começa o senta e levanta que aborrece todo mundo.
E criança chorando e gritando em restaurante?
Ou batendo irritantemente com os talheres ou brinquedo na mesa?
Ááaááá eu acho o fim, se fosse a minha me levantava na hora e ia embora. 
Na minha opinião é para isso que existem os restaurantes familia como por exemplo (aqui no Canadá):
  • East Side Mario’s
  • Boston Pizza
  • The Keg
E por aí vai. Existem opções e na minha opinião vai do discernimento dos pais se colocar no lugar dos outros clientes que estão lá e gostariam de fazer uma refeição agradável sem crianças fazendo barulho na mesa ao lado.
Vejam bem, como não temos família aqui em Vancouver, somos só nos 3 o tempo todo e nós gostamos de sair para passear e a Bella é nosso companhia constante o tempo todo, mas eu sempre procuro lembrar dos meus tempos de “adulta-sem-filho” ou de “mãe-que-tem-vovó-para-ajudar” em que eu não gostava de pagar caro por uma refeição e ter que ouvir gritos de criança do lado.
Soa antipático?
Não acho, para tudo tem seu tempo.
A maioria dos restaurantes não proibe a entrada de crianças e aí entra o desconfiômetro dos pais para saber se vale a pena ou não levar uma criança pequenininha em restaurante de “gente grande”.
E aí, meninas?
Qual a opinião de vocês?
Sei que vou receber uns quantos comentários contrários aos meus, mas este assunto sempre levanta uma boa bandeira para exercitarmos o exercício diário da vida com filhos!

8 Comments on Criança em restaurante de “gente grande”, pode?

  1. Trícia
    22/04/2013 at 2:54 am (5 years ago)

    Oi Rita!

    Eu acho que não deveria existir isso de: nesse lugar criança "pode" (ou é "permitida") e naquele ela "não pode" (ou é "proibida). Os pais não devem se privar de sair com os filhos por que a pessoa que está na mesa ao lado não curte crianças.

    Não deixo de fazer minhas programações com o marido e a filha por causa dos outros. Mas não mesmo! Se sinto que ela pode estar incomodando, encurto o passeio e volto pra casa; mas deixar de fazer? Não! Isso não mesmo!

    Desde pequena fui rigorosa com relação a forma como minha filha deve se comportar, se começava uma tolice por causa de X e Y eu chamava a atenção na mesma hora. Aliás, continuo fazendo isso, pq mesmo com 6 anos, de vez em qdo (agora são bem mais raros) sai uma tolice ou outra.

    Acho que vai muito dos pais essa decisão. Aqui em casa nunca deixamos de fazer algo, ou ir para algum lugar por causa do possível incômodo que nossa filha possa gerar. Não penso nisso, juro que não! Pode até ser egoísmo da minha parte, mas não penso nos outros, penso no bem estar dos meus, no momento de diversão que estamos tendo…e, se, algo sai do controle e vejo que está demais, aí sim…toque de recolher! rs.

    Já fomos para casamentos, formaturas com nossa filha mesmo quando era mais nova. Não tínhamos com quem deixar? Não, não era essa a situação, mas pensamos assim: se ela ñ é bem-vinda, nós tb não somos!

    Minha família SEMPRE em primeiríssimo lugar! Mas entendo quem pensa diferente e respeito isso.

    Reply
  2. rita
    22/04/2013 at 4:17 am (5 years ago)

    Tricia

    Antes de tudo….AMEI TEU BLOG!!!!
    Fui te visitar e fiquei quase 1 hora lendo muitos e muitos posts!
    Amei,
    Vou voltar e se deus quiser deixar recadinhos por la.
    Amei a "doacao" de livros, que ideia genial!
    E amei as blogagens de musica, eu AMO musica.

    Voltando,
    Adorei teu comentario, pois embora nos nao concordemos 100%, eu concordo sim contigo que nao podemos deixar de fazer as coisas por causa dos outros, to contigo, tambem sou assim, mas quem sabe eh a cultura daqui, aqui no Canada eles olham com cara feia quando tem crianca em restaurante mais "adulto" e ja levei cada patada por causa da Bella, quando nem era culpa da menina, muito besta.

    Entao hoje eu procuro ir em restaurantes que nao impliquem com crianca pois eu nao quero me incomodar, sair e se incomodar com os outros eh o OHHHH, entao vamos em lugares onde crianca pode ser crianca sem cara feia.

    Beijinhos grandes e te vejo la no teu blog.
    Rita

    Reply
    • Trícia
      22/04/2013 at 5:59 am (5 years ago)

      Oi Rita!

      Obrigada pelo coment qto ao meu blog! Fiquei super feliz!!! 🙂

      Tem a questao cultural mesmo, isso é fato de mudar muitos aspectos. Fico feliz que mesmo ñ concordando, consigamos conversar normalmente sobre o assunto, isso é tão bom, pq qdo escrevemos não podemos dar o "tom de voz" e as vezes podemos ser mal compreendidas.

      Fico feliz, de verdade, qdo recebo um feedback desses.

      Bjo grande e fique a vontade pra participar do blog viu? Inclusive, sinta-e convidada pra participar da Blogagem de Músicas, é divertido! 🙂

      Bjão pra vc e pra Bella (lindo nome!).

      Reply
  3. Lilian
    22/04/2013 at 12:04 pm (5 years ago)

    Eu passei algum tempo tentando "domar" minhas filhas em lugares que não eram assim tão apropriados para crianças (restaurantes chiques, cerimônias em geral…), mas acabei me conscientizando que tudo tem o seu momento. Acho o cúmulo choro de criança em determinados lugares, quebra o clima mesmo. Então o jeito é deixar com a vovó ou (como eu) esperá-las crescer. Passa rapidinho, e existem inúmeras opções para passeios em família que não incomodam ninguém!

    Reply
  4. Tayrine Delgado Costa
    22/04/2013 at 5:02 pm (5 years ago)

    Olá Rita, tudo bem!!!
    Leio seu blog todos os dias há muito tempo já e amo de paixão… Tenho 24 anos, sou casada ainda não tenho filhos, mas adoro tudo que você transmite, todas suas idéias, todo seu carinho, sou sua fã!!!
    Faz tempo que queria vir aqui comentar mas o dia a dia é muito corrido né?!
    Já somos amigas de Instagram e curto todas suas fotos fofas da Bella e do Butters!!! Parabéns pelo blog incrível e pela família maravilhosa!!! Beijos

    Reply
  5. Nina
    22/04/2013 at 5:09 pm (5 years ago)

    Oi Rita!!!
    Secretamente eu leio o teu blog e hoje me senti tentada a comentar!
    Como "pessoa sem filhos" (mas pensando em talvez, quem sabe, num futuro nãooooooooo tão distante cogitar a possibilidade de ter…) me senti tocada pelo assunto. As crianças aqui da nossa amada Porto Alegre, talvez pela questão cultural, correm soltas e agem feito selvagens em locais públicos e os pais ficam tranquilos…fingindo que nem escutam. Me incomoda, muito. Quando e SE eu tiver os meus…pretendo agir como a moça do comentário anterior…rigidez na educação. Espero conseguir…e se não der, certamente vou optar por lugares apropriados. Beijo!!!!

    Reply
  6. Sandra Nogueira
    23/04/2013 at 4:02 am (5 years ago)

    Concordo plenamente com vc Rita e nem só pelas pessoas que estão no local, mas pelas crianças que têm que ter comportamento adulto quando são crianças ainda! Existem programas e locais apropriados para todas as idades e públicos…prefiro os mais "família" mesmo para que a Helena mesmo não tenha que ser repreendida o tempo todo…no mais aqui em Ouro Preto os locais estão sempre cheios de turistas do mundo todo e na maioria das vezes, se são locais menos "família" todo mundo torce o nariz…
    bjos

    Reply
  7. Ela
    23/04/2013 at 5:27 pm (5 years ago)

    Felizmente eu tenho com quem deixar meus filhos quando quero ou preciso ir a lugares "adultos". E deixo mesmo. Primeiro porque eles ficam com pessoas que os amam muito, ou seja, com a vovó e tias. Segundo porque acho que eles nem se divertem nestes lugares. Que graça tem para uma criança ir a uma formatura, por exemplo. Tem também o fato de que, em alguns momentos, o casal precisa de um espaço seu. Vou reforçar que ajo assim porque quando preciso (são poucas vezes) sei que deixo meus filhos em total segurança, se divertindo, sendo paparicados, cuidados, olhados… A casa de minha mãe vive cheia de pessoas doidas por eles. 🙂
    Mas concordo que, se a pessoa não tem com quem deixar, deve achar sua alternativa. E cada um acha, né? Ainda bem!
    Só não concordo muito com algumas mães que deixam os filhos com babás e até viajam. Aí acho demais, pois cada época é uma época e temos de respeitá-la. Não precisamos ficar fazendo viajem de casal pela Europa enquanto ainda temos filhos pequenos.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *