Fonte

Desde que Bella entrou na escolinha em novembro tem sido gripe atrás de gripe, infecção de ouvido, de garganta e por aí vai. Tudo normalíssimo, afinal, o primeiro contato com os germes do mundo lá fora acontece eventualmente, seja na creche ou na escola mais tarde. O problem tem sido a fome, ou melhor, a falta dela, pois a cada gripe e mal estar a fome vai diminuindo e parece não voltar.

Mãe feliz é mãe de filho que come, mãe neurótica à beira de um ataque de nervos é mãe de filho que não come ou é chato para comer. Bella não costuma ser chata para comer e nunca me preocupei demais com a quantidade que ela come, pois ela come de tudo de pouquinho em pouquinho. Ou melhor, comia.

Esta última semana estou exercitando os meus nervos a todo vapor, pois a Bella não quer comer nada de comida. Só leite e biscoito salgado. Ok, ela está doentinha e darei o devido desconto devido a gripe, mas vejo que de um mês para cá a coisa vem “degringolando”, como dizemos no sul. Ela que até então comia todos os verdes do mundo, frutas, e tudo o mais que eu colocava no seu prato não quer mais comer. Brócolis que ela ama só com muita insistência, choro e apenas uma ou duas mordidas no final das contas.

Tomei uma decisão drástica, e que para algumas mães pode ser polêmica, mas decisão tomada. Minha colega de trabalho que é chinesa me disse que existe um dizer chinês muito sábio:

“A melhor comida do mundo se chama FOME“.

Criança com fome come de tudo.
Pois bem.

Se Bella mão quiser comer, não comerá. Colocarei a refeição na frente dela e ela poderá comer aquilo, se não quiser…..I’m sorry Bella! Passará fome até a próxima refeição. Tenho percebido que nestas últimas semanas eu ofereço de tudo, absolutamente tudo o que tenho na dispensa para ela comer e ela fica naquela “Sim, não, sim, não”. Acabou esta história! Hoje quase surtei quando abri um yogurte, uma gelatina e creme de maçã pois ela disse que queria e não quis comer nenhum! Fiquei indignada.

Sou uma mãe linha dura que não levo desaforo de criança para casa. Comigo não tem mãnha, não tem birra, não têm lágrimas de crocodilo, chantagem e cara de vítima, não surtem resultado com a Ritinha aqui. Quando ela não se comporta eu a disciplino, digo não, explico o por quê da minha decisão e se ela quiser chorar, que chore. A minha modesta opinião é de que só assim se pode educar uma criança, ainda mais hoje em dia que elas tendem a mandar na casa.

Aqui em casa mando eu! (E marido)

Estou juntando todas as minhas forças e fechando o meu coração meloso de mãe para começar a campanha “Come Bella!”. Ela vai voltar a comer legums e verduras de novo! Ou não me chamo Rita!

Aguardem segundo e terceiro capítulo dando updates sobre a minha missão de guerra!

6 Comments on Sem fome = missão de mãe

  1. Amanda Bruchado
    30/01/2012 at 11:01 am (7 years ago)

    Rita, sou super a favor da sua decisão!!
    APOIADA!!!
    ;***

    Reply
  2. Pâmela
    30/01/2012 at 1:36 pm (7 years ago)

    Ai Rita, sei muito bem como isso é. Chateada é pouco para o sentimento que tive quando a Lara passou a comer mal em decorrência das doencinhas de escola e comida de escola… Virou uma chata… Aí entra na história de depois de não sei que idade elas se tornam seletivas, aí danou-se… Come mal…

    Agora que ela tem comido melhor vez ou outra… O negócio aqui é pão… até arroz que ela comia bem, cheio de coisinhas ela tem recusado…

    Eu já me descabelei, chorei, briguei comigo mesma, chega. Sempre foi e eserá assim, quer comer? Não? Que pena, vai comer só na outra refeição… Dá dó, mas se não for assim não come nunca, pq sempre vai ter substitutos né? Nem sobremesa dou, seja fruta, seja outra coisa…

    Tá sendo militar aqui srsr E ela nem reclama a danada, realmente sem fome…

    Todo dia ora pra essa menina voltar a comer bem… morro de medo de ficar anêmica…

    Bjos

    Reply
  3. Wera Corrêa
    30/01/2012 at 3:45 pm (7 years ago)

    Eu na qualidade de vovó digo: ai, ai, ai já estou mudando o meu itinerário. Acho que volto para o Canadá mais cedo. Nada de maltratar a minha queridinha.
    Eu quando criança não gostava de comer. Era magérrima.
    Todas as noites levava umas palmadas (e não fiquei traumatizada), chorava e comia. Todas as noites era a mesma novela. Me pergunto: porque não comia se sabia que ia apanhar e terminar comendo. E assim fui chata até os 50 anos. Hoje adoro comer e não posso me entusiasmar muito, perdi um tempo precioso.
    Deixando a brincadeira de lado. Tem um ditado verdadeiro que diz: "você será amanha o que você come hoje".
    Fazem bem em incentivar que comam de tudo. Dá um pouco de trabalho mas faz parte. bjinho

    Reply
  4. Anelise Coutinho
    30/01/2012 at 6:21 pm (7 years ago)

    Olá, passando para deixar um carinho, e dizer q amei seu blog e já estou seguindo, se quiser fazer uma visita ao BLOG MULHER VIRTUOSA,e se for de sua vontade me seguir, ficarei muito feliz! Participo da parceria Blogueiras Unidas, meu numero de identificaçao é o 1256, anelisecoutinho@blogspot.com,
    bjo Anelise

    Reply
  5. Simone
    30/01/2012 at 11:16 pm (7 years ago)

    Nossa Rita…. Sei bem como eh isso….. Estou exatamente passando por isso com a minha pequena Manuela, eh uma guerra a hora da comida, eu me estresso, ela se estressa, eu fico furiosa, ela idem, eu choro, ela tbem….. E por ai vai…. Mudo a comida, o tempero… De nada adianta… A figura eh dura na queda!!! Passo o dia todo preocupada e encanada com o que ela vai comer e ela nada, nadinha…. Como tudo desde o inicio da maternidade, todo mundo diz que passa, mas quando a gente ta no olho do furacão parece que não tem saída… Sucesso na tua empreitada e boa sorte!!! Bj, Simone

    Reply
  6. Família Alves Lis
    31/01/2012 at 1:15 am (7 years ago)

    Você disse tudo: mãe à beira de um ataque de nervos é mãe de filho que não quer comer… sei bem como é isso, aqui em casa são altos e baixos. Eu aproveito os "altos" para entupi-la de comida… rs
    Abraços e torcidas… e, por favor, conte quanto tempo levará para o método chinês surtir efeito… estou interessada no resultado!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *