Meninas,

Ops…o post que era para ser de hoje entrou no ar ontem e pior, inacabado!
Tirei do ar para finaliza-lo, mas salvei os comentarios e ja os colei la embaixo.
Aqueles probleminhas de quem esta morrendo de sono e resolve escrever!

Vamos la!

Me divirto com a onda de babas no Brasil. Acho que eh aquela pontinha de inveja, ja que aqui ter baba so se voce for MILIONARIO, entao cada vez que leio sobre o assunto em uma revista brasileira sinto uma mistura de invejinha, com pitadas de desaprovacao. Acho esquisito e exagerado, meio dificil explicar.

Eu queria ter uma baba dentro da minha casa coordenando o funcionamento da casa e cuidando da minha filha nas horas vagas?
Nao.
Eu queria mesmo era ter uma diarista, que me ajudasse 2 x por mes a limpar a casa. Dificil ter este “luxo” no exterior. Primeiro pois custa caro, muito caro, e segundo por que elas nao fazem aquele trabalho primoroso que as diaristas brasileiras fazem. Assim, prefiro limpar a minha casa eu mesma. Ao inves de pagar mais de 150 dolares por U-M-A faxina, eu prefiro limpar a casa eu mesma e designar este valor para passeios e jantar fora, por exemplo.

Mas como viver sem baba?

Quando comento que moro no exterior sempre ouco comentarios que me fazem perceber que a pessoa a minha frente pensa que morar no exterior eh chique. Ate pode ser, dependendo de onde voce mora, mas a maioria das pessoas que moram no exterior nao tem os luxos que temos no Brasil. Simples assim.

Vejam como eh dura a vida de uma mae que mora fora e vejam como organizo a minha vida para viver sem baba:

  • Nao ter a familia por perto

Nem falo de nao ter a familia por motivos emocionais, mas sim pela total falta de ajuda quando se precisa. Nao ter absolutamente ninguem para cuidar do seu filho quando voce precisa ir no ginecologista, na embaixada fazer passaporte ou dar uma espairecida sozinha por ai eh muito complicado.

Semana passada Bella ficou doente e eu tive que faltar o trabalho. Na verdade eu optei por faltar ao trabalho, pois foi a primeira vez que a Bella ficou doente de verdade desde que saiu do hospital, mas no futuro eu terei que faltar ao trabalho por nao ter opcao, e dai? Crianca fica doente o tempo todo no inverno e agora?

Pois eh…vai explicar para o seu chefe.

  • Diarista eh luxo

Como expliquei acima, ter uma ajudante para cuidar da casa eh um luxo no exterior. Elas custam caro e muitas vezes mesmo familias de maior poder aquisitivo optam por nao ter uma diarista. Conheco varias assim. Aqui em casa quem faz a faxina sou eu e meu marido. Um limpa os banheiros, o outro passa o aspirador de po, um lava roupa, dobra e guarda, o outro tira po e por ai vai. Trabalho em equipe eh tudo, e abracar a causa sozinha eh muito dificil. Se meu marido nao ajudasse em casa, a casa simplesmente nao seria habitavel, pois com filho, cachorro, trabalho e casa para cuidar, fica realmente impossivel.

  • Quem alimenta a familia?

Cof, cof….a mae ne? Ja sabemos disso. Meu marido adora cozinhar em jantares especiais, mas o dia a dia eh feito por mim. O que faco?  Cozinho e congelo. Tanto as refeicoes para a familia toda quanto as refeicoes especiais da Bella. Invisto pesado em potinhos de congelar e saquinhos ziplock, desta forma na hora de cozinhar tenho mil e um potinhos esperando no armario. Faco comidas fresquinhas tambem, para serem comidas na hora, mas neste caso tudo tem que ser muito rapido, como um omelete completo, por exemplo. Durante a semana eh complicado fazer receitas elaboradas.

  • A hora de organizar o dia eh a noite

Ser mae eh estar sempre correndo contra o relogio. A Bella eh uma crianca que dorme cedo, principalmente para os parametros brasileiros. No Canada crianca dorme as 7 da noite, 8 no maximo, e Bella vinha dormindo as 8 desde sempre, mas agora que acorda as 6 para ir para a escolinha, eu prefiro que ela durma as 7. Isso so eh posivel pois saio do trabalho as 4:30, bem cedo.

No minuto que chegamos em casa Bella ja senta na cadeira para jantar. Depois eh banho, uma brincadeirinha com o pai se der (as vezes ele chega tarde do trabalho) e dai leite e cama. Assim ela descansa cedo e eu comeco a organizacao para o dia seguinte.

Arrumo a minha bolsa, o meu almoco, o almoco da Bella, o carrinho e acessorios, lanchinhos para a volta para casa e afins, desta forma de manha cedo esta parte ja esta pronta, a unica coisa que coloco na bolsa eh o celular que ficou carregando durante a noite.

  • Deus ajuda quem cedo madruga

Deus vai me ajudar MUITO entao, pois eu acordo as 5:20 da manha, e talvez eu tenha ate que acordar um pouco mais cedo agora que minha mae esta voltando para o Brasil. Eu preciso chegar ao trabalho as 7:30 e nao gosto de correria de manha. A Bella demora para tomar cafe da manha e embora ela tenha lanchinho na escola, eu faco questao que ela tome um bom cafe da manha em casa, e para isso ela precisa de 30-40 minutos para comer. Ja eu gosto de ler as noticias de manha, tomar banho, tomar cafe, entao se eu nao acordar as 5:20 nao sera possivel fazer tudo isso e ainda assim chegar no trabalho as 7:30.

Mae que nao tem ajuda precisa abdicar de algo, e no meu caso eh o sono.

  • Aceitar que fazer tudo eh impossivel

Esta eh a parte mais complicada para mim. Eu tenho muitos planos e hobbies (blog e scrapbooking,  por exemplo) e me dar conta de que eu simplesmente nao tenho tempo para fazer tudo, me deixa um pouco aborrecida. Tento ao maximo achar tempo para fazer as coisas que eu gosto, e sigo a filosofia de “quem mais faz, mais tempo arruma para fazer”, mas as vezes certas coisas acabam ficando para tras. Um exemplo eh a leitura de emails. Eu adoro receber emails e principalmente responder emails com textos grandes, adoro contar as novidades ou bater papo com a minha familia e amigas, mas tenho que aceitar que nao consigo responder um email no mesmo dia em que o recebo. As vezes levo semanas para responder um email. E hoje em dia  as minhas respostas sao menores do que eu gostaria. Ligacoes para as amigas tambem estao complicadas, visto que com o fuso horario, o horario que daria para eu ligar nao funciona para minhas amigas com filhos pequenos, e quando elas podem eu estou trabalhando e nao posso fazer telefonemas.

Dificil, dificil.

Mas so o fato de aceitar que o impossivel nao eh possivel ja ajuda um pouco. E claro, contar com a compreensao da familia e amigos tambem ajuda.

Portanto a conclusao eh esta: Da para viver sem baba!

Eh uma realidade COMPLETAMENTE diferente da que se tem no Brasil, quando que com a ajuda da familia + baba + diarista se tem muito mais tempo ocio para fazer outras coisas. Quando se mora no exterior e se tem que fazer tudo sozinha, o tempo divide-se em apenas ser mae, ponto. Se eh mae em tempo integral, se cuida da familia com poucas horas de sono e se eh esposa depois que os filhos vao dormir. E depois que se faz tudo, dai sim acha-se tempo para ver um episodio de Grey’s Anatomy, para se ler uma revista ou para se dormir 2 horinhas extras.

E quem falou que a vida sem baba eh facil?
Mas que da, da!

18 Comments on Sem baba….da!

  1. JM
    22/11/2011 at 6:36 am (5 years ago)

    Como uma pessoa "chique" como vc que mora no exterior, fazemos limpeza a quatro mãos tb ( mais as minhas mãos, mas
    Marido ajuda horrores se preciso) saímos para jantar a dois quando uma das avos estão visitando e agradeço por poder ter a oportunidade de ficar em casa com a Chloe em vez de ter baba.
    Não sou muito fã de ter baba não… Quero eu mesmo cuidar da minha filha. Claro que exceções existem num caso de necessidade absoluta, mas como vc disse como criança aqui dorme cedo ( chloe vai as 7pm) e a vida eu acredito que seja menos agitada) e possível se virar sem baba. Mas claro, o tempo "livre" da Mae e para organizar tudo mais. Esses "luxos" que só quem mora fora tem!! 🙂

    Reply
  2. Anonymous
    22/11/2011 at 12:20 pm (5 years ago)

    Rita,

    Eu acho a dependencia de babas no brasil, absurda. Minha filha sempre foi para a escolinha e muitas maes usam as baas com o mesmo principio.
    Mas muitas maes terceirizacao os filhos mesmo, ou nao saem na rua sem babas. Parece que nao sabem cuidar dos filhos ou tem preguica ou eh incompetencia mesmo.
    Eu particularmente acho bem mais eficiente e necessario, ter alguem que faca as tarefas da casa, do que ter uma baba. Mas claro esta sou. Eu sou capaz de cuidar da minha filha.
    Nao entendo a necessidade de levar uma baba no shopping, supermercado, parque….
    Eu tenho alguem q vem algumas horas por semana para limpar, e aumentei as horas depois q comecei a trabalhar. Eu termino de trabalhar tarde e realmente nao estava dando conta, apesar do marido ajudar. AGora me estresso menos e tenho mais tempo com a minha filha.
    x carol P
    http://www.motherlovedatabase.com

    Reply
  3. helena
    22/11/2011 at 12:21 pm (5 years ago)

    Oi Rita!
    pois é, eu tenho pensado muito sobre essa coisa de baba… como te contei, o Rafael tem uma baba, pois eu voltei a trabalhar meio horario e não tive coragem de coloca-lo na escolinha ainda, por causa da história da prematuridade, de pegar muitas doenças na escola e tal… e eu não posso contar com a juda da familia pq minha mae e sogra trabalham. mas confesso que ter baba não me agrada muito e não vejo a hora do Rafael começar a andar pra eu coloca-lo na escolinha e não precisar mais da baba!
    bjs!
    Helena
    ps:1- fiquei muito feliz de saber que a compra da casa deu certo! parabens!!! que a casa nova venha carregada de muitas alegrias!
    2- não to conseguindo entrar no seu outro blog, deu pra perceber que sou uma negação pra essas coisas tecnologicas ne? hahaha! qdo puder me manda o convite de novo?

    Reply
  4. Anonymous
    23/11/2011 at 2:48 pm (5 years ago)

    Olá, Rita!
    Tomo a liberdade de postar aqui um texto sobre babás e que achei MUITO bacana, de autoria da jornalista Michele Borges da Costa (do jornal O Tempo, de Belo Horizonte). Um abraço, Bota

    "Terceirizando afetos

    Cena 1: aproveitando o sol que não acaba em um resort no Nordeste, um casal jovem e lindo conta as calorias do seu café da manhã a base de vitaminas e fibras. O filho de não mais que 5 anos também está lá, mas faz seu desjejum na mesa ao lado, acompanhado da babá, com quem dormiu, no quarto ao lado. Na piscina, ele pede a estranhos que o levem a um passeio longe da escada, território limite para sua cuidadora.

    Cena 2: é o último dia no balneário e o grupo de amigos se prepara para o almoço de despedida no restaurante top-fashion-hipe. Antes, uma das mocinhas pede que a babá leve o filho – de não mais que 5 anos – para comer em algum lugar perto dali. Missão cumprida, agora é a vez de a mulher de branco receber a grana para seu próprio almoço em algum lugar longe dali. "Mas leve o menino", ordena a cuidadosa mãe.

    Cena 3: o melhor sorvete da cidade é parada obrigatória nos fins de semana. Nos dias quentes, as mesas são disputadas a tapa, inclusive por crianças com não mais que 5 anos, todas com suas respectivas e pacientes babás, supertreinadas em administrar colheradas sem deixar uma gota cair nas roupinhas de grife.

    Nada disso passou na novela do Manoel Carlos ou num reality show sobre dondocas na TV paga. Eu estava de camarote em cada uma dessas cenas, que a maioria já deve ter presenciado também.

    Para começo de conversa, nada contra quem recorre a babás para ajudar com a cria. Cada um sabe onde o calo aperta. Se nunca tive, é porque também conto com uma rede de proteção que é fundamental para me virar com a família grande, trabalho intenso e a vida social possível: marido parceiro, mãe por perto e sempre a postos, irmãs socorristas, tia que considera um presente poder ajudar e a grande Edivânia, a verdadeira dona da casa. Então, pra mim deu certo (pelo menos na maior parte do tempo).

    Mas também, olhando ao redor, percebo que uma mulher de branco para chamar de sua virou item de enxoval dos bebês, a ponto de não se ver um deles em local público sem uma a tiracolo. E como é um universo que não conheço, olho com estranhamento o que vou chamar de etiqueta das babás.

    Primeiro, tenho uma tendência a implicar com essa história de uniforme. A escolha não é por higiene, convenhamos, já que babás circulam por aí com a mesma roupa que depois se sentam no tapete do quarto de brincar. Então, fico com a impressão que a ideia é exibir ou mostrar quem é quem na relação com a criança em questão.

    E aí chega a hora da ida ao restaurante. Acho que deve ser sensacional não ter que interromper o papo incrível que está rolando na mesa para acompanhar o filho no parquinho ou experimentar seu prato ainda quentinho já que não precisa cortar o bife da fofura ao lado. Mas a moça precisa mesmo se sentar em outro lugar? Ela não pode dividir a refeição com a família, logo ela que é paga para compartilhar outros momentos tão mais significantes?

    E definitivamente não entendo quem terceiriza o sorvete do sábado à tarde".

    Reply
  5. Flavia M Malacarne
    23/11/2011 at 6:20 pm (5 years ago)

    Oi Rita,

    Tambem acho que da!!! Entendo que a baba pode ser muito util em muitos momentos, mas acho que 24hs e um pouco demais…Acho que esta havendo uma acomodacao das maes hoje em dia, e vejo que muitas nem a fralda dos filhos troca…
    Quando tiver os meus filhos minha ideia e colocar na creche e cuidar deles depois do trabalho…ate porque, mae que trabalha, se nao cuidar dos filhos ao menos quando esta em casa a noite, vai cuidar quando???
    No nosso caso que moramos longe nao temos muita opcao mesmo…mas concordo com vc..prefiro ter alguem pra cuidar da casa, e do meu filho cuido eu e meu marido.
    Enquanto meu baby nao chega, vou so pegando as dicas com vc!
    Um beijo grande!!!

    Flavia.

    Reply
  6. JM
    23/11/2011 at 10:44 pm (5 years ago)

    Li os comentários de novo porque estav curiosa com a repercussão do tema, e mais ainda porque li durante o dia sobre babas e afins.
    Acredito que ter "vida adulta" sem a criança e muito saudável, e necessário! Mas abrir mão de maior parte da sua vida social que tinha antes do filho vem
    Junto com a criança. O que acho injusto e querer ter filho mas não querer abrir mão de nada por ele. Criança precisa de atenção e carinho, e demanda muito desses dois itens… Mas quando menos esperamos eles já não irão mais querer sua companhia. Por isso acho muito mais saudável abraçar sua nova condição de mae – e sim, implicaria em comer comida fria, não sair quando bem entende,etc- por apenas um tempo. E o tempo passa…mais rápido do que gostaríamos as vezes. Eu, aprendo todo dia, sem faltar um, a ser menos egoísta e muito mais paciente.

    Reply
  7. Adriana
    24/11/2011 at 2:24 am (5 years ago)

    É Ritinha… Qual era mesmo o tema daquele post q vc achava polêmico e q até vovó Wera pediu pra vc ir com calma? Era nada polêmico perto deste aqui! 🙂

    Eu tb não sou a favor de babás e cuido sozinha do meu filho, marido e casa e ainda pipoco de um hemisfério pro outro a cada 2 meses! Enlouqueço às vezes, normalmente às 5as feiras, mas aí chega o fim de semana e ter o marido em casa o dia todo dá aquele alívio necessário pra começar a semana outra vez. Não faço as unhas, não vou à academia com freqüência, como comida fria e nem sei mais qdo foi a ultima vez q fui ao cinema sem meu filho. Esse momento da minha vida eu dedico à minha família.

    Ao mesmo tempo, reconheço q há situações em q a babá é imprescindível. Conheço uma família em q tanto a mãe qto o pai são médicos, e apesar de não terem mais q fazer aqueles plantões noturnos, eles têm vários atendimentos de emergência, situações inesperadas… Às vezes estão todos na rua, aproveitando o domingo de sol e de repente recebem a ligação de um paciente q precisa ser internado às pressas. Quem fica com as crianças?

    O importante é saber dosar. 😉

    Reply
  8. rita
    24/11/2011 at 3:49 am (5 years ago)

    Jú!

    Sim, nós temos a sorte de podermos tirar 1 ano de licença maternidade aqui no Canada, e tambem de alongar esta licenca para ficar com as meninas em casa.

    Coisa boa ter esta oportunidade.

    Beijocas, amei nossa ligacao hoje
    Rita

    Reply
  9. rita
    24/11/2011 at 3:50 am (5 years ago)

    Oi Carol

    Pois é, tambem acho esquisito esta onda de babas no Brasil.

    Entendo que existam situacoes para o uso da baba, afinal, mae e pai nenhum precisam abdicar de tudo na vida em prol dos filhos, da para balancear bem, mas parece que virou uma febre de baba 24 horas.

    Beijinhos
    Rita

    Reply
  10. rita
    24/11/2011 at 3:53 am (5 years ago)

    Oi Helena

    Sei sim do Rafa e te entendo, extendi minha licenca maternidade em 1 ano para nao precisar colocar a Bella na escola antes dos dois anos.

    Mas o rafa vai amar a escolinha, hoje quando falei para a Bella que tinhamos que ir embora tu precisa ver a cara de desolacao dela, como quem diz O QUE? 8 HORAS PASSARAM RAPIDO DEMAIS. Ela tem tantas atividades e brinquedos legais que curte demais. Hoje tiveram uma barraca enorme na sala de brincar, imagina a curtiçao. Rafinha vai amar!

    Beijos, te re-adiciono la no blog sim, as vezes da pane,nao eh negação tua nao.

    Rita

    Reply
  11. rita
    24/11/2011 at 3:53 am (5 years ago)

    Oi Dani!

    Respondi teu comentario la no seu blog.

    Beijocas
    Rita

    Reply
  12. rita
    24/11/2011 at 3:56 am (5 years ago)

    Botaaaaa

    Ai ai ai…que artigo hein?

    Puxa, eu na verdade concordo com ele 100%

    Nao tenho problema nenhum com a contratacao de uma baba para uma emergencia, para pais que precisam trabalhar ate mais tarde as vezes, ou ir ao cinema de vez em quando, mas para CUIDAR da crianca 24 horas por dia acho o fim!

    Pronto, falei.

    Obrigada por me mostrar esta materia, adorei.

    Um abraco da Rita

    Reply
  13. rita
    24/11/2011 at 3:58 am (5 years ago)

    Flavinhaaaa

    Antes de tudo, NAO ESQUECI DE TI E DO TEU ULTIMO EMAIL NAOOO. Ai meu Deus, estou em falta total contigo. Me perdoa? Te mando email gigantao assim que der, prometo.

    Ok, vamos la.

    Sim, concordo contigo, a favor de uma ajudante da casa mais do que de baba.

    Eu amo cuidar da Bella e confesso que tenho o maior problema em deixa-la com alguem nas horas vagas, pois so de pensar que ja tenho pouco tempo com ela, e neste pouco tempo a deixarei com outra pessoa, fico mal…hahaha. Neurose de mae, mas eu adoro passar o dia todo grudada nela, fazer o que?

    Beijos com saudade dos nossos papos extensos ponte aerea Vancouver-Dubai!
    Rita

    Reply
  14. rita
    24/11/2011 at 4:00 am (5 years ago)

    Adrii

    Sim, eh dureza nao poder sair sozinha as vezes, mas mais dureza ainda, para mim, eh poder fazer as coisas com ela e nao fazer, prefiro levar o meu bicho agarradinho junto!

    Eh so saber balancear mesmo, como tudo na vida.

    Saudade enorme de voces

    Reply
  15. Anonymous
    24/11/2011 at 12:37 pm (5 years ago)

    Tambem passei aqui de novo ara ler os comentarios. O artigo publicado eh barabro e concordo 100%.
    Como falei tem maes q contratam babas do mesmo jeito q contratei a escolinha.
    Mas levar baba a tira colo nem pensar OMG
    Acho que se os pais querem sair para jantar com os amigos, devem ir sozinhos e deixar o filho em casa com uma baba por exemplo. Mas o cumulo eh levar a crianca junto e nao dar a minha bola, deixando a baba cuidar. Isso nao eh almocar com os filhos, me desculpem.
    x Carol P
    http://www.motherlovedatabase.com

    Reply
  16. Pâmela
    26/11/2011 at 6:03 pm (5 years ago)

    Adorei o post! Eu tb vivo sem baba e prefiro assim. Desde sempre EU mesma queria fazer tudo, e isso foi uma das minhas tristezas quando a Lara nasceu, minha recuperação foi tão difícil que dependia dos outros para tirá-la do carrinho para eu amamentar por algumas semanas…

    Te digo que eu detesto trabalhar e ficar longe dos cuidados dela e da casa… Apesar de gostar do meu trabalho rsrs

    Com certeza prefiro uma diarista a uma babá, não pensaria duas vezes hahah

    Aqui conto com uma ajudante a cada 15 dias, porque simplesmente não dou conta! Mas gostaria de fazer sozinha… Meu marido não é bom em arrumação e limpeza, ajuda, mas é daquele jeito que normalmente preciso refazer rsrsr

    Menina, vc virou minha heroína – depois da minha mãe rsrs – acordar as 5 da matina, para mim é um suplício… Também gostaria de uma manhã tranquilinha como você faz, mas eu não dou conta – nunca dei – de acordar cedíssimo… Aqui levantamos as 6 da manhã, as vezes 6h15, as vezes 6h30 (quando tudo ficou prontíssimo para o dia seguinte) para sair no máximo 6h55 (moro a 10min no máximo do meu trabalho de carro). Lara não acorda cedo por nada, a não ser que tenha dormido cedo, o que nunca acontece, simplesmente não conseguimos fazê-la dormir cedo! Não tomamos café em casa – um erro – tomo um lanche muito ruim na escola mesmo e meu marido um na padaria depois que deixa a Lara na escolinha. Quero muito mudar isso ano que vem que ficarei em casa. Preciso deste tempo para reorganizar a vida, saímos do 1º ano de vida da Lara – não totalmente independentes, para um ano cuidando sozinhos de tudo e trabalhando… virou uma bagunça… agora vou me reorganizar…

    Vou guardar algumas coisinhas que você colocou aqui para por em prática…

    bjos

    Reply
  17. Anonymous
    04/02/2013 at 1:05 am (4 years ago)

    Amei o post. Já não me sinto tb um peixe fora d'água por não poder ter babá e trabalhar fora. Nada que uma creche/escolinha não resolva. Parabéns!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *