Dei pulos de alegria quando li esta reportagem!

 

Uma das coisas que me preocupam e me deixam um pouco triste é que umas das sequelas da prematuridade extrema, como a da Bella, é dificuldade de aprendizagem. Há algumas semanas atrás li uma reportagem que me deixou muito triste, nem comentei com o meu marido pois não queria conversar a respeito. Dias depois estavámos no carro, meu lugar favorito para chorar, e desandei no choro quando contei para ele que estudos com prematuros extremos mostram que a defasagem no aprendizado dura a vida inteira, não é uma coisa que o prematuro extremo alcance com o tempo.

Eu particularmente descordo um pouco destas pesquisas, não é por que é minha filha, mas a Bella é uma criança extremamente inteligente, com apenas 1 ano e meio já fala uma lista imensa de palavras tanto em Português quanto em Inglês, já forma algumas frases e adora brincar com joguinhos que exercitam o aprendizado. Aí por si só já vai por água abaixo a tal pesquisa. Mas mesmo assim, ás vezes me bate uma deprê quando leio artigos que ligam a prematuridade extrema ao atraso em aprendizagem.

Por isso mamães de prematuros, vamos caprichar nas brincadeiras e jogos que estimulem o raciocínio dos nossos filhos, ou seja, menos televisão e mais brincadeiras! Temos que correr atrás para eles provarem que estes estudos estão errados!

Por isso fiquei tão feliz com este artigo. Embora não aborde o tema prematuridade, é interessante ver como esta área de uma segunda linguagem estimula a criança a aprendar mais como um todo. Uhuu, segunda língua para todos os prematurinhos soltos pelo mundo!

Estudo revela que bebês bilíngues têm mais facilidade de aprendizagem

Uma pesquisa realizada com bebês italianos, veiculada na publicação americana Proceedings of the National Academy of Sciences, comprova as vantagens do ensino bilíngue. Os médicos Agnes Kovacs e Jacques Mehler, da International School for Advanced Studies em Trieste, na Itália, observaram 40 bebês, metade deles educados em uma só língua e a outra metade em lares bilíngues. Cada criança foi colocada diante de uma tela, divida em dois. De tempos em tempos, um personagem de desenho animado aparecia em um dos espaços. Um segundo antes de a figura surgir, os pesquisadores pronunciavam uma palavra. Os bebês bilíngues conseguiram associá-la, com maior facilidade, ao local onde o desenho iria aparecer. Isso ficou evidente quando os cientistas notaram que os pequenos olhavam para o lado certo da tela, antes mesmo de a figura ser exibida.

Os bebês que provinham de famílias monolíngues tiveram dificuldade em entender o processo e não conseguiram prever onde o desenho apareceria, apenas escutando a palavra. “A  infância é realmente a fase mais favorável à aquisição de uma segunda língua sem sotaque, pois, nesse período de crescimento acelerado, o cérebro está formando suas estruturas nervosas básicas”, explica Renato Ferreira, diretor da Maple Bear Canadian Scholl Morumbi, na capital paulista.

As escolas dessa rede se valem de um método chamado imersão em inglês. “O aluno desenvolve fluência  no idioma, de forma natural. O inglês é empregado na vida diária da criança, em atividades interessantes e motivadoras, como brincar, cantar, desenhar”, conclui Ferreira.

Fonte: Bebê.com.br

1 Comment on Bebês bilíngues e desabafo

  1. Ana de Geo
    20/01/2012 at 1:00 pm (5 years ago)

    Oi, Rita!
    Tenho três filhas, sendo que a segunda, Maria Vitória, nasceu prematura de 26 semanas. Apesar do início ter sido difícil e doloroso pra todos, hoje em dia quase não percebemos a diferença em relação às irmãs. Ela apresenta dificuldades como qualquer criança normal, eu acho. Estou adorando o seu blog.
    Um grande abraço. Ah, sua Bella é linda!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *